close
Super Novas

A Maioridade de Slim Rimografia – ao completar 18 anos de carreira, rapper se prepara para lançar série com 4 EPs em 2018

Slim Rimografia 18 (Foto – Tiago Rocha) bx 7

Antes do rap, Slim Rimografia, nascido Valter Araújo no bairro de Figueira Grande, extremo sul de São Paulo, já estava por dentro do Hip Hop como B-boy e grafiteiro. Com a virada do século, viu que sua criatividade artística poderia também ser música e foi quando, dos passinhos e latas, passou a dedicar mais tempo a rimar de improviso e experimentar batidas.

Passou três anos frequentando e desenvolvendo o freestyle – com o qual se tornou um dos principais nomes nas batalhas – até que lançou o primeiro álbum, Financeiramente Pobre, em 2003, considerado um dos 10 discos mais importantes do Hip Hop nacional pela revista Rap Brasil e site Bocada Forte. Na época, já se dizia que Slim estava dando um novo sangue pelo rap underground, fato consumado pelo modelo de distribuição que empregou quando o trabalho saiu: vendeu mais de 10 mil cópias de mão em mão, em shows, nas ruas, transporte público e por onde passava.

Na contramão dos artistas que buscavam um selo ou gravadora na época, apostou numa distribuição guerrilheira que mais tarde se tornou exemplo para outros artistas. Assim, contribuiu para criar o alicerce que, anos depois, ajudaria o rap nacional a conquistar seu lugar de destaque.

Produtor prolífico, Slim Rimografia é nome constante como beatmaker no trabalho de artistas como Síntese, Criolo, Emicida, Lay, Tássia Reis e outros; como videomaker, assina a direção de seus próprios clipes e produz e dirige vídeos para nomes como Rashid.

(Foto – Tiago Rocha)

A música também o levou para projetos sociais como arte-educador na Fundação Casa, Instituto Sou da Paz e Zulu Nation Brasil, e espaços como Casa de Hip Hop Diadema e Fábricas de Cultura. Em 2011, aventurou-se em lançar em livro uma adaptação do poema “O Navio Negreiro”, publicado em 1869 por Castro Alves e marco do romantismo brasileiro. Para a obra, compôs uma versão atual sobre o poema trazendo-o para os dias de hoje. Junto, fez uma música baseada no tema e convidou os grafiteiros do Grupo OPNI para criarem as ilustrações. Hoje, o livro consta na lista de materiais didáticos do Ministério da Educação e é estudado em escolas de todo o Brasil.

Entre tantas músicas e projetos ao longo de sua carreira, agora que completa 18 anos como rapper, Slim dá início a uma nova fase de lançamentos com o material que produziu intensamente entre setembro e dezembro de 2017.

Organizados por estilos, serão lançados quatro EPs que apresentam as tantas expressões de Slim, verborragia na poesia e nas batidas facilmente comprovada em SinGo, o primeiro da série.

SinGo (capa por César Martins)

Voltado para o trap, grimme e experimentações eletrônicas, este EP é uma introdução à versatilidade que seguirá com os outros três compilados, cada um de proposta única. SinGo reúne as 4 faixas lançadas entre outubro de 2017 e fevereiro de 2018, e ganha mais 3 inéditas para o tracklist ficar completo.

A foto de capa é uma montagem com referências de todos seus trabalhos lançados e entrega a linha do tempo de Slim com humor ao recriar seu avatar de participante do Big Brother Brasil 14 com detalhes simbólicos de seus tantos anos de música. Os vários eus de Slim Rimografia numa imagem sobre a resiliência de permanecer o mesmo não importam os cenários.

O segundo EP, Mr. Dinamite, tem previsão de lançamento para a segunda quinzena de junho.

Ouça agora: Spotify | Deezer | YouTube |  iTunes | Tidal | Napster | Google Play

Clipes de SinGo: Arte do Gueto”, “Game Rap”, “Mei Dei

Ficha técnica SinGo:

Produzido, gravado e mixado por Slim Rimografia

Masterizado por Luís Lopes, no Estúdio C4

Arte de capa por César Martins

Siga Slim Rimografia: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Spotify

leia mais
Super Novas

Inquérito apresenta sexto álbum: Tungstênio – novo trabalho reúne Zeca Baleiro, Rashid, Tulipa Ruiz e muitos outros

Inquérito (Diogo Zacarias) bx2

Tungstênio é o sexto e mais afiado álbum da carreira do Inquérito, grupo de rap do interior de São Paulo na estrada desde 1999. O lançamento de 2018 comemora quase duas décadas de dedicação ao Hip Hop e tem 12 faixas, muitas delas com participações nacionais e internacionais. Dentre as parcerias constam Zeca Baleiro, Mato Seco, Tulipa Ruiz, @s rappers Rashid, Diomedes Chinaski e Nicole; Luís Travassos, cantor de fado português, o rapper angolano MCK e a cantora neozelandesa LAWN incrementam a lista com outros sotaques e batidas.

Renan Inquérito, fundador do grupo, conta que no processo de escrita das músicas sempre se deparava com a imagem da caneta, e de forma literal ou figurada, o objeto sempre estava presente nas composições deste álbum. De tanto escrever, se deu conta que a peça principal do seu instrumento de trabalho era a bolinha que fica na ponta da Bic. Ao investigar do que é feito o material esférico que dá forma aos versos, chegou ao título do disco: Tungstênio, nome de um metal resistente, duro, versátil e brilhante, como um bom rap.

“Fui caneta sem tinta tentando escrever

ferindo o papel, machucando, até que…

aprendi quando vi a folha rasgada, não existe vida sem carga.”

(Coração de Camarim)

Reconhecido por utilizar a música para transformação e interferência social, Inquérito traz na canção “Anônimos” o coral Somos Iguais, formado por crianças refugiadas que vivem em São Paulo. Como diz o verso de “Histórias Reais”:

“Numa quebrada do Brasil bem perto de você, só muda o sotaque, o CEP e o RG.”

Universidades, presídios e bibliotecas são territórios comuns quando se trata de Inquérito. As letras já foram temas de vestibulares da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), provando a afinidade do rap com a poesia e a literatura. Dessa atenção e dedicação aos temas sociais surgem os versos de Tungstênio, a rima cada vez mais sagaz que declama com sentimento as duras verdades de nosso tempo. Entre algumas músicas do disco, ouve-se a voz de Renan declamando a poesia “Tungstênio”:

“A gente é que nem os metais, tá ligado?

Uns são suave, outros pesa, uns são comuns, outros raros

Mas… tem um que é zika: TUNGS-TÊ-NIO

Duro e pesado, como a realidade.”

Renan, que também é educador, enxerga a arte como ensino e percorre escolas e unidades da Fundação Casa realizando saraus, shows, debates e oficinas. A vivência e troca dão ainda mais realismo à poética do Inquérito, encabeçada por Renan e endossada pela parceria de mais de 15 anos com o backing vocal Pop Black, que também contribui com as letras. As batidas quem comanda é o DJ Duh, que já trabalhou com o Inquérito no álbum Corpo e Alma (2014) e assina produções com Emicida, Kamau, Rashid e outros.

Tungstênio começa a ser espalhado na íntegra na sexta-feira, 9 de março. A partir de 16 de março, Inquérito começa a turnê de divulgação que mostra ao vivo a fórmula imbatível de MC, backing vocal e toca-discos acompanhada do groove do baixista Marcelo Cruz e do peso das guitarras de Gabriel Adorno. As apresentações têm performances poéticas no estilo spoken word, em que poesias são declamadas entre as músicas mostrando a força da oralidade do rap.

Texto por Toni C., escritor, produtor cultural e membro-fundador da Nação Hip Hop Brasil.

Tungstênio (Foto: Márcio Salata | Capa: Pepê Ferreira/Black Magenta)

Disponível nas plataformas digitais. Escolha o player em: https://ONErpm.lnk.to/Inquerito.

Clipes de Tungstênio:

Artesanato Eletrônico

Lição de Casa

Eaê

Agenda:

16/03 –  Sesc Birigui

21/04 – Sesc Campinas

28/04 –  Caieiras

11/05 – Sesc Ribeirão Preto

Tracklist Tungstênio:

  1. Eaê (com Pop Black)                                              
  2. Turbulência (com Rashid)
  3. Vitrines (com Zeca Baleiro)
  4. Barras de Ouro (com Dadona)
  5. Lição de Casa (com Tulipa Ruiz)
  6. Histórias Reais (com Pop Black, Diomedes e Nicole)
  7. Artesanato Eletrônico 2.0
  8. Perfume da Colônia (com Daniel Yorubá, Mynda Guevara e MCK)
  9. Pega a Visão (com Mato Seco)
  10. Anônimos (com Pop Black e Coral Somos Iguais)
  11. Coração de Camarim (com Luís Travassos)
  12. Cafuné com Caneta (com Pop Black e Lawn)

Ficha técnica:

   Produzido, Gravado e Mixado por DJ Duh no estúdio Groove Arts, exceto* **

   *Faixas 1, 4 e 10 Produzidas por Marcelo Guerche no estúdio FoxP2

   **Faixa 7 Produzida por Pop Black e Dj Duh nos estúdios Black Beats e Groove Arts

   Masterização: Maurício Gargel

   Direção Musical: Dj Duh e Renan Inquérito

   Arte Capa: Pepê Ferreira | Black Magenta

   Foto Capa: Marcio Salata

   Apoio: Saxsofunny

   Produção Executiva e Comunicação: Priscila Prado

Siga Inquérito: Facebook | Instagram | Twitter

leia mais
1 2 3 4 5 20
Page 3 of 20