close
BlogDistúrbio Feminino

Grrrl Germs Extra ::: Entrevista com Camila Visentainer

Camila 4

“As artes manuais nos colocam em outra frequência, desligamos dos alarmes, entramos num estado quase meditativo”, diz Camila Visentainer sobre sua produção artística manual. Nascida em São Paulo, a Camila explora diversas mídias para apresentar as inspirações e vontades de criar que surgem no dia-a-dia.

Os trabalhos a mão são seu ponto forte e também um suspiro criativo em tempos de supremacia tecnológica; dedicar-se às artes como bordado e crochê promovem uma volta aos instintos ancestrais e também uma reconexão com o próprio Eu.

A expressão artística também serve como busca pelo empoderamento e descoberta de si. E essa expressão artística é bem poliglota: fala através de zines, desenhos, colagens e até mesmo comidas. O importante é perceber que todos esses idiomas convergem para uma mesma língua: a transformação e realização pessoais. Desta maneira, a Camila vai seguindo por muitos caminhos, experimentando possibilidades e inspirando tantas outras mulheres a também criarem suas realidades.

(Camila Visentainer)

Além de nos conceder esta entrevista, a Camila faz parte do novo zine do Distúrbio Feminino (a edição #4, marcada para sair ainda neste mês), com uma ilustração tão especial que fica difícil não ficar hipnotizadx. Ela é também uma das convidadas do nosso festival (que vai rolar dia 22/julho, em SP) e fará parte da roda de conversa sobre Mídia Feminista Online/Offline ao lado de outras mulheres produtoras de conteúdo.

Leia abaixo:

Distúrbio Feminino: Qual sua relação com o mundo das artes? Algo que vem de família ou foi um interesse próprio?

Camila: Acho que uma mistura das duas coisas. Meu pai sempre gostou de música e desde pequena eu ouvia de tudo com ele. Sempre fui muito criativa, gostava de desenhar, recortar, costurar, de tudo que eu pudesse criar com as mãos. Com o passar dos anos esses interesses só foram evoluindo e se aperfeiçoando, acho que eu não seria feliz fazendo outra coisa da vida que não fosse arte.

DF: Como começou a desenvolver suas habilidades?

Camila: Quando terminei o ensino médio e entrei na faculdade de jornalismo conheci a fotografia, e a partir daí as coisas começaram a fazer mais sentido. Percebi que capturar imagens e torná-las belas e instigantes era o que mais me fazia feliz, saí da faculdade e fui estudar fotografia, depois desenho, música, vídeo… Fui cada vez mais entrando de cabeça em todos os assuntos e linguagens que permitiam me expressar.

DF: Com quais linguagens artísticas você trabalha?

Camila: Fotografia, vídeo, desenho, colagem, bordado e crochê, mas com fortes paqueras com a música e a performance.

DF: Você editava e produzia dois zines impressos, o do Coletivo Clandestino e o Melão Cólica. Um era uma ideia colaborativa e o outro produzido apenas por você. Pretende voltar a fazer zines? O que essa mídia pode transmitir?

Camila: Pretendo, sim. Sempre que vejo que tenho uma quantidade boa de material legal acumulado, eu edito um Melão Cólica, e em breve terá um do Coletivo Cósmico também. Acho que é uma mídia democrática, sem censuras, todo e qualquer assunto pode ser abordado num zine, e esse material pode chegar nas mãos de qualquer pessoa. É uma ótima ferramenta para difundir a arte, ideias, assuntos polêmicos, poesia, enfim, qualquer assunto.

DF: Atualmente, você tem se dedicado mais ao bordado, certo? Muitas mulheres estão aderindo e vários grupos se reúnem para aprender as técnicas e inventar. O que você acha que produziu esse revival de bordar?

Camila: Sim, tenho produzido em todas as linguagens mas, nesses últimos meses, tenho feito vários bordados. Acho que as pessoas estão em busca de coisas mais “verdadeiras”. Viemos de um movimento forte de produção em série, tudo feito à máquina, relações virtuais, falta de tempo, e o resgate do bordado traz de volta essa conexão consigo. É um exercício de paciência difícil de executar em tempos tecnológicos que tudo acontece na velocidade de um click, mas no fundo todxs nós estamos precisando, de alguma forma, dar uma distanciada desse mundo virtual. Sem contar que o bordado deixou de ser algo careta, feito pra decorar enxovais, e passou a ser uma linguagem artística e descolada que está dialogando com assuntos atuais.

DF: Você faz parte do Coletivo Cósmico. O que fazem juntas e o que querem passar?

Camila: Fazemos arte. O coletivo surgiu pra nos manter em movimento constante e pra nos instigar artisticamente. Somos todas muito inquietas e o coletivo é a casa da nossa produção autoral. Queremos que nossa arte faça as pessoas pensarem sobre si e sobre o mundo.

DF: No Coletivo, vocês promovem desafios entre si com temáticas feministas. Como elaboram os desafios e como funcionam?

Camila: Todas são livres para propor o tema que quiserem, anotamos todos num papel e vamos fazendo os temas de forma aleatória. Somos diferentes e cada uma tem a sua busca, então os temas propostos sempre nos tiram da zona de conforto. Às vezes um tema proposto pelas meninas não tem nada a ver com minhas reflexões no momento, e isso que é bacana, ser instigada a produzir coisas que às vezes nem passaram pela minha cabeça, um desafio mesmo!

DF: Como você mantém/busca inspiração?

Camila: Andando de bicicleta, ouvindo música, cuidando das minhas plantas e estudando.

DF: Quais seus temas favoritos? (feminismo, natureza, cosmos, etc)

Camila: Gatos! Brincadeira, rs. Acho que meu tema favorito é o que eu sinto. Sempre produzo baseada em algo que está dentro de mim e preciso colocar pra fora. Às vezes a criação faz parte de um processo de estudo, mas não se limita a algo específico. Quando eu estava estudando sobre o veganismo produzi uma série de fotografias de pratos veganos. Minha vivência com o jardim deu início a uma série de desenhos de observação das plantas usando tinta. Minha vivência como Mulher e meu processo de desconstrução e libertação do machismo me faz bordar temas feministas, e por aí vai.

DF: Qual a importância de nos dedicarmos às artes manuais em tempos de tanta tecnologia?

Camila: As artes manuais nos colocam em outra frequência, desligamos dos alarmes, entramos num estado quase meditativo, e isso é importantíssimo para o auto-conhecimento e auto-controle. Sem contar que algo manual, feito pela sua própria mão, gera um sentimento forte de empoderamento.

DF: O atual movimento empoderador das mulheres frisa que devemos nos expressar como quisermos. Qual liberdade você ainda quer conquistar fazendo sua arte e sendo Mulher?

Camila: Liberdade de ir e vir sem receios, de ser exatamente quem eu quero ser e não me preocupar com julgamentos ou padrões. Quero que minha arte faça outras pessoas também se sentirem poderosas e maravilhosas. Outra coisa que busco sendo Mulher nas artes é igualdade: que existam mais mulheres expondo e menos mulheres expostas nas galerias (e em todo cenário artístico).

***

Grrrl Germs é a coluna do Distúrbio Feminino com links, dicas e piras sobre música, feminismo, tendências, cena nacional, comportamento e tudo mais sobre a Mulher, os meios, o som e o Sagrado. Este boletim soma à nossa produção de conteúdo feita em zine impresso, podcast, posts em redes sociais, playlists e demais mídias. Comentários, sugestões, dicas e erratas podem ser enviados por e-mail: contato@supernova.mus.br.

 

leia mais
Super Novas

O beijo gay negro e o corpo político de Gê de Lima no novo clipe “Fotografia”

Gê de Lima – Fotografia (Foto – Léo F. Carter)

O revolucionário ato de ser você mesmo é a constante busca de Gê de Lima. Nascido no Grajaú (SP), Gê é Jefferson Oliveira Santos Lima e faz parte das minorias: é negro, periférico e gay. Mas isso nunca foi insulto para seu talento, pelo contrário, foi empoderamento. Mesmo descobrindo-se co-criador da própria realidade como artista, Gê de Lima ainda experimenta todas as formas de discriminação e opressão, e encontrou na música (e na bela voz) instrumento de superação, auto-representatividade e seu protesto.

“Fotografia”, terceiro videoclipe lançado por Gê de Lima, é uma MPB romântica sobre a história de amor entre dois homens negros. Fazer a escolha pelo beijo duplamente fora dos padrões, e a favor da representatividade negra como ponto alto do clipe, é parte da indumentária de Gê de Lima. Sua auto-descoberta e aceitação são reflexos da desconstrução atual dos meios, dos padrões e do “normal”.

A liberdade conquistada aos poucos pelas minorias deve ser usada para uma nova conscientização, com mais autonomia, e é o que Gê tem feito, ajudando a abrir portas antes fechadas.Esse descobrir-se sem medidas resulta em pertencimento, não somente ao artista que procura crescer e conquistar seu público, mas também ao público que está à procura de identificação e exemplos de superação. Com essa ideia, Gê reuniu amigos e fãs para colaborarem no vídeo com uma foto de casal ou até solteirx, desde que fosse uma demonstração de amor sincero, e nada mais dono de si do que amar-se.

(Foto: Leo F. Carter)

O clipe e a figura de Gê vêm para firmar a importância do corpo político, o corpo empoderado. Em fotos recentes, ele escolheu posar nu como expressão da coragem de libertar-se dos estigmas, de mostrar-se sem a vergonha de estar bem em sua própria pele.

Enquanto se prepara para lançar o segundo trabalho solo, Gê de Lima canta ao vivo em 2 de junho no Galpão Cultural Humbalada, referência de diversidade no Grajaú, e tem participação confirmada no show do rapper JPA Epycentro, no palco do Centro Cultural Grajaú, na Virada Cultural, em São Paulo, no dia 21 de maio.

Sobre Gê de Lima:

O cantor e compositor paulistano Gê de Lima se destaca pelo timbre de voz, uma enorme extensão vocal e forte presença cênica no palco. Seu primeiro contato significativo com a música foi na adolescência, quando conheceu o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda. Na escola em que estudou, havia uma sala de aula batizada de “Sala Chico Buarque” onde, além das matérias tradicionais, os alunos aprendiam sobre a vida e a obra de Chico. A partir da experiência de conhecer Chico numa visita à escola, Gê passou a ser um admirador da música popular brasileira.

Iniciou sua carreira artística no teatro aos dez anos de idade e se profissionalizou como ator, em 2006. Em 2011, iniciou sua carreira solo e logo foi convidado para abrir shows importantes, como o do cantor e compositor Toquinho, dos irmãos Wilson Simoninha e Max de Castro, e Luiz Melodia. Gê participou de eventos como Virada Cultural Paulista, na cidade de Diadema (2012), e Virada Cultural (2013 e 2015), em São Paulo. Também em 2015, foi convidado para integrar o elenco do musical “Léo & Bia”, com direção de Oswaldo Montenegro.

Em 2014, o artista lançou o álbum Minha Conduta, com músicas inéditas de compositores como Marcus Vinile, Marco Mattoli, Walmir Borges e participações especiais do trombonista Bocato e do Pagode da 27. Neste trabalho, Gê de Lima fez uma releitura de “Com que Roupa”, de Noel Rosa, em versão blues, gênero musical com o qual se identifica muito. Esta é a primeira faixa do álbum a ganhar videoclipe, seguida de “Samba dos Outros”.

Atualmente, o cantor segue com a turnê do álbum e com a divulgação do clipe de “Fotografia”, que encerra o ciclo de Minha Conduta. Já com ideias encaminhadas para o segundo disco, que será de sua autoria, Gê de Lima adianta que será um álbum com força política, tratando de temas como liberdade sexual, diversidade, padrões, desigualdade racial e sexualidade.

 

Ficha técnica “Fotografia”:

Compositores: Marco Mattoli e Walmir Borges

Direção: Leo F. Carter

Produção de vídeo: Luciano Teck

Roteiro: Gê de Lima

Produção executiva: Estúdio Leo F. Carter

Participação especial: Wellington Santana

Siga Gê de Lima: Facebook | Instagram | YouTube | Spotify | Deezer | iTunes

leia mais
1 2 3 4 5 15
Page 3 of 15