close

Grrrl Germs minimalista ::: 02 Neurônio, sons & artes.

***

No ano 2000, entre as publicações que eu conseguia seguir na época de jornais e revistas que mal chegavam ao interior, esperava ansiosamente pelo dia que tinha a coluna 02 Neurônio, publicada no caderno Folhateen da Folha de SP. Na época, junto a outras poucas opções pra mim, ler a 02 Neurônio me tirava dos limites da pequena cidade. Eu mal entendia a totalidade do que elas falavam mas mesmo assim o discurso era marcante, principalmente porque falava de igual pra igual (e sempre dava dica de bandas legais). Ao descrever o surgimento da 02 Neurônio, nascido como zine, as editoras resumem >>> palavras às quais a gente total se relaciona pois o Distúrbio Feminino foi criado com a mesma ideia <<<:

Queríamos falar sobre como era louco, foda, opressivo, gostoso ser mulher, e queríamos escrever o que desse na telha, coisas que jamais leríamos em nenhuma revista feminina. Em 1997, o feminismo era uma coisa bem fora de moda, as nossas inspirações vinham do rock porque, fora desse mundo, tudo era pós-yuppie-vamos-dar-certo-na-vida. Ou seja, um puta saco pra gente, que tinha sido criada no punk-rock.

Depois de alguns anos, já na era da internet mais acessível, a coluna migrou para o virtual e foi ganhando diversos braços, como programa de rádio, tv (as meninas assinavam os roteiros do Garotas do Programa, da Globo), curtas-metragens e livro.

Há uns cinco anos mais ou menos, 02 Neurônio deu uma parada, mas durante esta semana elas reapareceram para surpresa e alívio de muitxs seguidores das antigas. Já com um novo blog recheado de conteúdo legal, a volta do 02 Neurônio é uma necessidade básica para quem está presenciando o “Brasil Feio”, este novo país fundado em 2016, como dizem elas em postagem recente.

02 Neurônio é Jô Hallack, Nina Lemos e Raq Affonso.

***

Giro de notícias musicais:

>>> O duo NU, de Ligiana Costa, lançou o clipe de “Lilith”, faixa do primeiro álbum, auto-intitulado. Lilith é o primeiro arquétipo de feminista, tendo recusado ficar embaixo de Adão durante o sexo (em uma das inúmeras versões sobre sua história), colocando assim sua vontade acima da do homem, literalmente. A faixa é uma das mais interessantes no álbum e o clipe, gravado na Sicília durante a turnê europeia da dupla, teve lançamento simultâneo em mídia nacional e internacional. Uma trip electro-barroca, quem dera mais bandas experimentassem como o NU.

>>> Já Iara Rennó, dona de nossos ouvidos desde que caímos de amores pelo último trabalho Arco Flecha (2016), também chegou com clipe novo. Dirigido por Ava Rocha, “Ritmo da Moçada” integra o tracklist de Flecha e as cenas foram captadas durante o carnaval de rua do Rio de Janeiro, em 2014. O vídeo (assim como o do NU) foi lançado no Dia das Mulheres e ajudou a promover o show que Iara e Ava fizeram naquele dia como parte da programação da Semana de Artes HeforShe, campanha mundial de equidade de gênero que está acontecendo em diversas capitais do mundo até o próximo dia 14.

>>> Primeiro disco de Deb and The Mentals, Mess, também chegou esta semana. Deb Babilônia grita muito!

>>> Vi um show de Anna Tréa esta semana e mal pude segurar o queixo durante a apresentação. Multi instrumentista e dona de uma voz sublime, Anna tem um brilho no olho enquanto canta que não dá pra negar que aquilo vem de dentro de seu coração ultra criativo. No show, realizado no Teatro da Rotina, ela promoveu um verdadeiro encontro de mentes brilhantes com Drik Barbosa, Tássia Reis, Bruna Caram e outrxs.

Anna Tréa lançou o primeiro solo, Clareia, ano passado, onde mostra toda sua técnica peculiar de tocar violão e guitarra.

 

>>> Que foda, hein? Futuro estampa a capa da nova edição da seminal/essencial/icônica Maximum RocknRoll, a punk mag mais loka do mundo! Preza, né? A matéria fala sobre a turnê americana que a banda faz agora no próximo mês.

Rolou um vídeo novo postado por elxs, gravado em sessão de estúdio. Um EP com essa e outras faixas vai chegar ao mundo logo menos.

***

Na gringa, altas movimentações também. Update de Coathangers, Chastity Belt, Cayetana e o show que reuniu várias rainhas barulhentas dos 90.

>>> Dias atrás, falamos sobre “Parasite“, faixa inédita que o trio Coathangers tinha lançado. Agora oficialmente, a música vai estar no próximo EP, de mesmo nome, Parasite (((uma referência a Donald Trump))). Na segunda-feira (6), elas soltaram mais uma nova, em versão oficial, “Captain’s Dead”.

O EP Parasite será lançado em 12″ pela Suicide Squeeze Records dia 30/junho. A capa também foi divulgada:

>>> Chastity Belt também anunciou a data de um novo trabalho e o primeiro single. O quarteto faz parte dos nomes mais bem quistos da atual cena indie do Noroeste dos States com um bom punhado de outros lançamentos legais. O álbum sai oficialmente dia 2/junho e chama I Used to Spend So Much Time Alone. Ouça a nova “Different Now”:

>>> Pra completar, teve clipe novo também das Cayetana. “Mesa” vai estar no segundo full, New Kind of Normal, com lançamento marcado para 5/maio.

“Mesa” foi lançada em janeiro junto com outra inédita, “Trails”, como parte de um split com a banda australiana Camp Cope (((bem legal também. aqui o play))))

O primeiro álbum das Cayetana, Nervous Like Me, é heavy rotation por aqui desde que saiu, em 2014. Sempre indicado:

 

>>> Já nos palcos, reunião estrelada em Los Angeles durante o evento Don’t Sit Down, ação beneficente ao Planned Parenthood (ong atuante pelos direitos reprodutivos, legalização do aborto e outras questões de saúde), no último sábado (4). Além de shows com Bleached, The Regrettes, Lovely Bad Things e outros, teve momento fucking special de Nina Gordon e Louise Post (Veruca Salt) tocando com Patty Schemel. Como se não bastasse, Liz Phair também apareceu e isso deve ter sido simplesmente o máximo!

Veja fotos:

Bleached + Veruca Salt + Patty Schemel

 Louise Post e Liz Phair

Veruca Salt e Patty Schemel

No Youtube tem alguns trechos do show, que não deve ter sido menos do que memorável. No baixo, acompanhando Nina, Louise e Patty, está Nicole Fiorentino, integrante do Smashing Pumpkins até 2014. Assista “Volcano Girls”:

***

Nas artes:

>>> Zahira Kelly é uma artista norte-americana de descendência dominicana que está colocando a Mulher Negra em nova perspectiva. Criadora de sua própria representatividade – afro-latina, como ela mesma diz – sua coleção de trabalhos tem fotos, ilustrações e acessórios. As coleções são chamativas pelas cores e pelo entendimento claro da subversão em colocar não-brancxs no centro e explorar o corpo político da Mulher Gorda com beleza e autonomia.

A série que retrata as santas católicas como mulheres negras é uma das mais bonitas, mas o catálogo tem ainda uma série de nudes e mulheres espAciais.

La Virgem Negra

Princess Galaxy I

Pra quem quiser conhecer mais, tem essa entrevista (em inglês) na The Fader com um pouco da história e dos porquês da arte de Zahira Kelly. E no site oficial dá pra ver todos os materiais: www.shopzahirakelly.com

>>> Vi a Negahamburguer compartilhar um trampo que ela fez para uma nova campanha da Skol, #RedondoÉSairDoSeuPassado.

(Arte de Negamburguer)

Apesar de sempre ter o pé atrás com a publicidade, é bom saber que grandes marcas estão finalmente entrando com a cabeça mais aberta nas campanhas com a Mulher como foco >>> ainda mais uma marca de bebida, nicho que explora o corpo da Mulher sem dó <<<.

O projeto lançado (((obviamente))) no Dia da Mulher, tem trabalhos lindos de supermulheres como Eva Oviedo, Carol Rossetti e Sirlanney, e está aberto a quem quiser enviar material próprio. Saiba mais no site.

(Arte de Sirlanney)

>>> Em ação ao Dia da Mulher e às atividades da HeForShe, a campanha Donas da Rua, da Turma da Mônica (da qual falamos aqui), inaugurou exposição com 23 trabalhos de minas artistas de todo o Brasil fazendo uma releitura das Donas da Rua da Turma com técnicas variadas. A abertura teve presença da representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, e da Mônica Sousa (ela mesma 💛), diretora executiva da Maurício de Sousa Produções e inspiração-mor ao DDR.

Entre as minas convidadas para pintar, estão as grafiteiras do coletivo Efêmmera (SP): Bela Gregório, Simone Siss, Raísa Trinny, Miss, Crica, Mari Pavanelli e Pankill.

Perguntei pra Bela como a Turma da Mônica a inspira, como ela “retribuiu” essa inspiração na arte que fez e o que quis representar na tela:

A Turma da Mônica é parte intrínseca da minha infância, assim como de gerações que vieram antes e depois de mim. Receber o convite para fazer a releitura da Mônica foi uma imensa honra e responsabilidade também, afinal de contas, assim como o título da minha obra ela é a RUEIRA ABSOLUTA nos quadrinhos. O projeto DONAS DA RUA tem um significado muito especial porque, sendo grafiteira, uso a rua como a minha principal plataforma de trabalho. Desde que descobri essa paixão pelo graffiti, me dediquei às letras, que são a essência do movimento como um todo. Eu queria achar uma forma de transformar essa essência na minha versão da Mônica. Então, criei um trabalho que homenageia diretamente as mulheres letristas desse universo da arte de rua.

(Arte por Bela Gregório)

Os trabalhos ficam expostos até esta terça-feira (14), no Conjunto Nacional.

***

Ainda sobre minas artistas e talentos manuais, ganhei este bordado >>> auto-referencial <<< de uma amiga. Quem fez foi Thuane Araújo, que tem a marca Ponto Thuts com várias peças legais, muitas com frases feministas. Superlindo tudo, vem conhecer aqui.

***

Pra fechar, semana de Lua Cheia:

Na fase da Lua Cheia nossa energia sexual, criativa e nossa energia vital estão em alta, é o momento perfeito para dar uma gás naquele projeto que está parado faz tempo. É tempo de nutrir, seja um projeto, cuidar de um jardim, limpar a casa ou fazer aquela comida que a família inteira gosta, e mais importante nutrir a nós mesmas. É comum nessa fase o desejo de amparar e zelar pelo outro, mas uma boa Mãe nunca esquece de si mesma. (No Curandeiras de Si)

***

Grrrl Germs é a coluna semanal do Distúrbio Feminino com links, dicas e piras sobre música, feminismo, tendências, cena nacional, comportamento e tudo mais sobre a Mulher, os meios, o som e o Sagrado. Este boletim soma à nossa produção de conteúdo, feita em zine impresso, podcast, posts em redes sociais, playlists e demais mídias. Comentários, sugestões, dicas e erratas podem ser enviados por e-mail: contato@supernova.mus.br.

Tags : Distúrbio FeminininoGrrrl Germs
Mariângela Carvalho

Escrito por Mariângela Carvalho

Deixe um comentário