close

Blog

BlogDistúrbio Feminino

Grrrl Germs Extra ::: Entrevista com Camila Visentainer

Camila 4

“As artes manuais nos colocam em outra frequência, desligamos dos alarmes, entramos num estado quase meditativo”, diz Camila Visentainer sobre sua produção artística manual. Nascida em São Paulo, a Camila explora diversas mídias para apresentar as inspirações e vontades de criar que surgem no dia-a-dia.

Os trabalhos a mão são seu ponto forte e também um suspiro criativo em tempos de supremacia tecnológica; dedicar-se às artes como bordado e crochê promovem uma volta aos instintos ancestrais e também uma reconexão com o próprio Eu.

A expressão artística também serve como busca pelo empoderamento e descoberta de si. E essa expressão artística é bem poliglota: fala através de zines, desenhos, colagens e até mesmo comidas. O importante é perceber que todos esses idiomas convergem para uma mesma língua: a transformação e realização pessoais. Desta maneira, a Camila vai seguindo por muitos caminhos, experimentando possibilidades e inspirando tantas outras mulheres a também criarem suas realidades.

(Camila Visentainer)

Além de nos conceder esta entrevista, a Camila faz parte do novo zine do Distúrbio Feminino (a edição #4, marcada para sair ainda neste mês), com uma ilustração tão especial que fica difícil não ficar hipnotizadx. Ela é também uma das convidadas do nosso festival (que vai rolar dia 22/julho, em SP) e fará parte da roda de conversa sobre Mídia Feminista Online/Offline ao lado de outras mulheres produtoras de conteúdo.

Leia abaixo:

Distúrbio Feminino: Qual sua relação com o mundo das artes? Algo que vem de família ou foi um interesse próprio?

Camila: Acho que uma mistura das duas coisas. Meu pai sempre gostou de música e desde pequena eu ouvia de tudo com ele. Sempre fui muito criativa, gostava de desenhar, recortar, costurar, de tudo que eu pudesse criar com as mãos. Com o passar dos anos esses interesses só foram evoluindo e se aperfeiçoando, acho que eu não seria feliz fazendo outra coisa da vida que não fosse arte.

DF: Como começou a desenvolver suas habilidades?

Camila: Quando terminei o ensino médio e entrei na faculdade de jornalismo conheci a fotografia, e a partir daí as coisas começaram a fazer mais sentido. Percebi que capturar imagens e torná-las belas e instigantes era o que mais me fazia feliz, saí da faculdade e fui estudar fotografia, depois desenho, música, vídeo… Fui cada vez mais entrando de cabeça em todos os assuntos e linguagens que permitiam me expressar.

DF: Com quais linguagens artísticas você trabalha?

Camila: Fotografia, vídeo, desenho, colagem, bordado e crochê, mas com fortes paqueras com a música e a performance.

DF: Você editava e produzia dois zines impressos, o do Coletivo Clandestino e o Melão Cólica. Um era uma ideia colaborativa e o outro produzido apenas por você. Pretende voltar a fazer zines? O que essa mídia pode transmitir?

Camila: Pretendo, sim. Sempre que vejo que tenho uma quantidade boa de material legal acumulado, eu edito um Melão Cólica, e em breve terá um do Coletivo Cósmico também. Acho que é uma mídia democrática, sem censuras, todo e qualquer assunto pode ser abordado num zine, e esse material pode chegar nas mãos de qualquer pessoa. É uma ótima ferramenta para difundir a arte, ideias, assuntos polêmicos, poesia, enfim, qualquer assunto.

DF: Atualmente, você tem se dedicado mais ao bordado, certo? Muitas mulheres estão aderindo e vários grupos se reúnem para aprender as técnicas e inventar. O que você acha que produziu esse revival de bordar?

Camila: Sim, tenho produzido em todas as linguagens mas, nesses últimos meses, tenho feito vários bordados. Acho que as pessoas estão em busca de coisas mais “verdadeiras”. Viemos de um movimento forte de produção em série, tudo feito à máquina, relações virtuais, falta de tempo, e o resgate do bordado traz de volta essa conexão consigo. É um exercício de paciência difícil de executar em tempos tecnológicos que tudo acontece na velocidade de um click, mas no fundo todxs nós estamos precisando, de alguma forma, dar uma distanciada desse mundo virtual. Sem contar que o bordado deixou de ser algo careta, feito pra decorar enxovais, e passou a ser uma linguagem artística e descolada que está dialogando com assuntos atuais.

DF: Você faz parte do Coletivo Cósmico. O que fazem juntas e o que querem passar?

Camila: Fazemos arte. O coletivo surgiu pra nos manter em movimento constante e pra nos instigar artisticamente. Somos todas muito inquietas e o coletivo é a casa da nossa produção autoral. Queremos que nossa arte faça as pessoas pensarem sobre si e sobre o mundo.

DF: No Coletivo, vocês promovem desafios entre si com temáticas feministas. Como elaboram os desafios e como funcionam?

Camila: Todas são livres para propor o tema que quiserem, anotamos todos num papel e vamos fazendo os temas de forma aleatória. Somos diferentes e cada uma tem a sua busca, então os temas propostos sempre nos tiram da zona de conforto. Às vezes um tema proposto pelas meninas não tem nada a ver com minhas reflexões no momento, e isso que é bacana, ser instigada a produzir coisas que às vezes nem passaram pela minha cabeça, um desafio mesmo!

DF: Como você mantém/busca inspiração?

Camila: Andando de bicicleta, ouvindo música, cuidando das minhas plantas e estudando.

DF: Quais seus temas favoritos? (feminismo, natureza, cosmos, etc)

Camila: Gatos! Brincadeira, rs. Acho que meu tema favorito é o que eu sinto. Sempre produzo baseada em algo que está dentro de mim e preciso colocar pra fora. Às vezes a criação faz parte de um processo de estudo, mas não se limita a algo específico. Quando eu estava estudando sobre o veganismo produzi uma série de fotografias de pratos veganos. Minha vivência com o jardim deu início a uma série de desenhos de observação das plantas usando tinta. Minha vivência como Mulher e meu processo de desconstrução e libertação do machismo me faz bordar temas feministas, e por aí vai.

DF: Qual a importância de nos dedicarmos às artes manuais em tempos de tanta tecnologia?

Camila: As artes manuais nos colocam em outra frequência, desligamos dos alarmes, entramos num estado quase meditativo, e isso é importantíssimo para o auto-conhecimento e auto-controle. Sem contar que algo manual, feito pela sua própria mão, gera um sentimento forte de empoderamento.

DF: O atual movimento empoderador das mulheres frisa que devemos nos expressar como quisermos. Qual liberdade você ainda quer conquistar fazendo sua arte e sendo Mulher?

Camila: Liberdade de ir e vir sem receios, de ser exatamente quem eu quero ser e não me preocupar com julgamentos ou padrões. Quero que minha arte faça outras pessoas também se sentirem poderosas e maravilhosas. Outra coisa que busco sendo Mulher nas artes é igualdade: que existam mais mulheres expondo e menos mulheres expostas nas galerias (e em todo cenário artístico).

***

Grrrl Germs é a coluna do Distúrbio Feminino com links, dicas e piras sobre música, feminismo, tendências, cena nacional, comportamento e tudo mais sobre a Mulher, os meios, o som e o Sagrado. Este boletim soma à nossa produção de conteúdo feita em zine impresso, podcast, posts em redes sociais, playlists e demais mídias. Comentários, sugestões, dicas e erratas podem ser enviados por e-mail: contato@supernova.mus.br.

 

leia mais
BlogRádio

Supernova Radio Show #4

13262314_10207854754105848_759073945_o

Número 4 da Supernova na Rádio FAAP com:

Bloodbuzz • “Looptrap” •
Black Cold Bottles • “Counterweight” •
OZU • “Temple” •
Dr. Drumah • “Deep Concentration” •
Luiza Lian • “Oya” •
PAPISA • “Instinto” •
Giallos • “Blaxxxploitation” •

 

Na sequência tem o roteiro na íntegra:

Supernova #4

Bloodbuzz é um quinteto paulistano com vários anos de experiência. O primeiro álbum saiu agora em março e é grande pedida pra quem procura por grunge, stoner, classic e tudo que compõe um bom rock. Silence in the City, o disco, tem 13 faixas e várias delas poderiam estar tocando nas rádios comerciais por aí. Aqui vamos ouvir “Looptrap” e entender como tudo isso pode soar pop.

Seguindo tem Black Cold Bottles, São Bernardo do Campo. O quarteto chegou com o primeiro álbum também em março chamado Percept. Vamos ouvir “Counterweight”, que achei a música mais redonda do álbum, com característica acentuada de guitar bands melódicas. Tem tudo pra ser hit no undeground sp.

FAIXA 1 – Bloodbuzz – Looptrap || FAIXA 2 – Black Cold Bottles – Counterweight

Mudando das guitarras pros synths e programações, vamos ouvir Ozu e Dr. Drumah, dois lançamentos que cobrem as cenas de triphop, eletrônica e hiphop de SP e Salvador.

The Downbeat Sessions nº1 é o primeiro EP de Ozu, grupo formado em SP que junta o orgânico da guitarra/baixo/bateria com o sintético e as levadas eletrônicas de um trip hop jazz no melhor estilo inglês. O EP saiu no final de março e tem sido tocado em diversos shows pela cidade de SP.

Lá de Salvador, destaque para Dr. Drumah, trabalho adjacente de Jorge Dubman, também baterista no super orquestra IFÁ. Dr. Drumah é pra tocar beats e olhar pro rap dos anos 90 com nostalgia. Não por acaso, o compilado de agora ganhou o nome de 90’s Mindz e são 16 sons instrumentais pra acompanhar as referências mais legais dessa década premiada. A mixtape foi lançada pelo selo americano 77 Rise Recordings. Aqui vamos ouvir “Deep Concentration”, de inspiração oriental.

FAIXA 3 – Ozu – Temples || FAIXA 4 – Dr. Drumah – Deep Concentration

Venusianas hoje chega com Luiza Lian e Papisa.

A Luiza Lian já tinha mostrado um trabalho inovador quando lançou o primeiro álbum (2015) mas agora ela deu um grande passo a frente com o novo, Oyá Tempo. O trabalho saiu também como um álbum visual, com vídeo produzido especialmente para acompanhar as 8 faixas inéditas. No repertório, pode esperar de tudo, urbanidade, folclore e linguagens diversas como afro, funk e muita poesia. Não deixe de ver o vídeo também e o site oficial: luizalian.com.br. Vamos ouvir a faixa que dá título ao álbum “Oya”, orixá dos ventos e tormentas.

Rita Oliva tem currículo impecável, sendo integrante das bandas Cabaca Café e Parati. No segundo semestre de 2016, ela lançou seu primeiro EP solo, sob alcunha de Papisa. Nesta estreia, Rita assina autoria de letra e composição, e tb como produtora das faixas. Vamos ouvir “Instinto”, escolhida como primeiro single.

FAIXA 5 – Luiza Lian – Oya || FAIXA 6 – Papisa – Instinto

Ep novo do Giallos na área. Fita com 3 sons novos da já grande banda de Santo André, que desta vez investiu nos aparatos eletrônicos pra fazer o som. Tem, como sempre, bastante noise na guitarra e as letras/interpretações na lata. Brasil em chamas com trilha absurda. Vamos ouvir a faixa-título, “Blaxxxploitation”. Procure pra ouvir e baixar de graça.

FAIXA 7 – Giallos – Blaxxxploitation

Créditos de gravação e direção: Mikael Roiha e Alziro Tonim.

Exibido em 16/05/2017.

leia mais
BlogDistúrbio Feminino

Grrrl Germs – 14/5

IMG_20170115_232134

A incrível arte de tentar manter uma coluna versus o curto tempo/espaço para se dedicar a ela ::: Grrrl Germs com crushes, memorabilia cult, meninas comunicadoras e leituras:

***

Pode deixar anotado na agenda que dia 22 de julho  tem Distúrbio Feminino Fest! Muita música e arte feminina/feminista pra fortalecer. Teremos shows incendiários 🔥, expo de artes/artesanato, comidas deliciosas e roda de conversa sobre mídia online/offline feita por mulheres. Mais e outros detalhes em breve….

***

Crush recentes 💘:

>>> Princess Nokia é o alterego de Destiny Frasqueri, cantora e compositora americana de descendência porto-riquenha. Usando referências do hip hop e do R&B 90/2000 – além dos toques afros, latinos e asiáticos -, Nokia tem o discurso feminista e de equidade na ponta da língua:

Como Princess Nokia, posso projetar os aspectos multi-dimensionais de mim mesma que não podia expressas como Wavy Spice [antigo nome artístico que usava]. Posso me aventurar por qualquer estilo de música ou identidade que eu queira sem confusão. Eu faço música mundial – música que fala com todos os tipos de pessoas. Meninas latinas no Harlem, noivas adolescentes no Oriente Médio, meninos gays na Ásia. Gravadoras não importam mais. Minha música é cósmica e tridimensional e ela fala quem é a Princess Nokia de verdade. Princess Nokia é som. É progressão. É tudo o que sou. (Bullet Magazine)

Todos os singles valem o play e o replay. Visite o canal dela no Youtube pra conhecer mais:

>>> Ryane Leão é a mina. Preta, empoderada, a liberdade em pessoa. Você pode conhecer pedaços da Ry pelas ruas de SP através das poesias e dos lambes que ela espalha pela cidade. Frases feministas, confissões, afirmações e devaneios colaborativos ou devidamente carimbados com sua carinhosa assinatura Onde Jazz Meu Coração. A Ryane é uma das minas confirmadas para a roda de conversa sobre mídia feminista no nosso fest. 💖

***

Memorabilia:

>>> Alice Bag & Darby Crash (The Germs):

Alice Bag postou essa foto de seu arquivo pessoal há poucos dias. No post, a história de como ela e Darby passavam horas conversando sobre como mudar o mundo e levar a liberdade do punk rock para todxs. Alice conta sobre seu livro, Violence Girl (2011), cuja proposta era dar voz às mulheres punks da época – já que as matérias/reportagens geralmente citavam apenas os homens. Isso me lembrou da entrevista que ela deu ao zine do Distúrbio Feminino:

Um dos motivos pelo qual o punk era tão atraente é que, na metade dos 70, o rock não tinha muitas representantes femininas. As mulheres sentiam falta de referências e não tinham muita oportunidade para crescer. O punk abriu a porta para mulheres pq favorecia a inovação e não a técnica. Muitas pessoas que nunca se sentiram incluídas ou representadas puderam se sentir assim com o punk. Através dos anos, as cenas punks pelo mundo mudaram e os velhos modos voltaram. Mulheres foram deixadas de lado, escritorxs não incluíram mulheres punks em seus livros e nossa história corria o risco de ser perdida. As mulheres sempre estiveram lá mas é como se tivéssemos que nos afastar um pouco e voltar depois ainda mais fortes.

Leia a entrevista e nosso zine #2 aqui.

>>> Art Chantry, artista plástico e figura carimbada nos bastidores da explosão do pré-grunge (((e verdadeira enciclopédia do rock))), postou sobre Frances Farmer, a protagonista da faixa “Frances Farmer will have her revenge on Seattle”, do Nirvana:

A bela e famosa estrela do cinema, Frances Farmer, pouco antes de seus pais a levarem para um hospício. Aparentemente, eles não compreendiam porque ela usava o cabelo daquela maneira, porque fumava, porque se vestia como um homem ou porque tinha atitudes políticas “comunistas”. Eles decidiram que ela estava louca. Quando internada, foi objeto das técnicas mais recentes do mundo da psicologia: terapia de choque aquática (onde você fica imerso numa piscina de gelo) e terapia com eletrochoque. Nada resolvia e ela continuava com uma atitude “desafiadoramente individualista”. Então, fizeram a infame lobotomia com ela – basicamente enfiar uma agulha enorme em seu lóbulo frontal através da cavidade ocular. Depois disso ela estava “bem”. Um pouco “preguiçosa” e “sem reflexos”, mas “bem”. Frances viveu o resto de sua vida usando roupas femininas e sem falar muito. Ela também teve incontinência e teve que usar fraldas pelo resto de sua vida. É um preço “baixo” para se “encaixar”, não é?

***

Produção de conteúdo 5 estrelas pra seguir e amar:

>>> 365 Girls in a band: coluna da Maria Caram no Altnewspaper sobre mulheres incríveis da música. Muita história e dicas legais.

>>> Meninas pra Frente: podcast empoderado das minas de Santa Maria (RS). A cada edição, o programa traz seleção caprichada de bandas e artistas com comentários e bom humor. Ao vivo, toda sexta-feira, às 19h, na Rádio Armazém.

>>> Queens of Noise é outro podcast massa sobre a produção musical feminina. O programa é feito pela galera do blog Bul in the Heather e traz, a cada semana, novidades, lançamentos, clássicos e muito rock de garotas. Toda quinta-feira, às 18h, na Mutante Radio.


>>> Delirium Nerd é um achado pra quem procura bom conteúdo e muita informação. Música, artes, filmes, livros, quadrinhos y mucho más sob um viés feminista.

***

Leituras:

>>> “Meet the lesbians punks who’ve been written out of London’s history“, na TimeOut inglesa. Reportagem sobre as Rebel Dykes, grupo feminino da Inglaterra que ajudou a emancipar os direitos das mulheres gays e fundou uma base de ação/ativismo em Londres, nos anos 80. A frente escolhida por elas foi promover os primeiros squats (ocupações) femininos na cidade e criar pontos de conexão para/com mulheres que procuravam se encontrar, encontrar outrxs e criar uma comunidade protegida. Com depoimentos de várias ativistas da época, a matéria é uma bela aula de história sobre subcultura feminista/dyke/queer/punk. Um documentário está sendo produzido sobre esta cena e suas protagonistas.

>>> “The best documentaries about growing up as girl“, na Dazed.

>>> “Sub Pop imprint Hardly Art celebrates 10 years as a tastemaker all its own“, no blog do Bandcamp. A história do sub-selo Hardly Art, braço da Sub Pop, e um catálogo que redefiniu o indie rock nos anos 2000. O destaque mesmo é para a Mulher por trás de todo o sucesso, Sarah Moody, diretora e fundadora do selo.

>>> “The Legend of Pamela des Barres, Rock’n’Roll Most Iconic Groupie“, na Vice gringa. Entrevista encorpada com Pamela des Barres, escritora e seguramente uma das maiores ativista da liberdade sexual. Des Barres colecionou affairs e algumas das histórias mais inacreditáveis com os rockstars mais famosos da história. As experiências e memórias viraram livros célebres, como o “I’m with the band: Confessions of a Groupie”, bestseller de sua carreira e que completa 30 anos de lançamento em 2017, e o mais recente, “Let it Bleed: How to write a rockin’ memoir”.

Pamela Des Barres.

>>> “Dez cantoras que você deveria conhecer“, da Revista Bula. Lista com novas cantautoras brasileiras que estão dando o que falar.

>>> “Assinava os e-mails com o nome dela e me tratavam pior: um experimento sobre o machismo no trabalho“, no El País. Chocada mas não surpresa.

Martin se apresentou como Nicole aos seus clientes: “Vivi um inferno. Todas as minhas sugestões eram questionadas”.

***

Cada um de nós trazemos, em essência, a divindade que somos, independente do sexo, religião, orientação sexual, status social. Somos divinos e parte de tudo, e o movimento de negar a isso traz grandes conflitos entre a nossa alma e mente.

No artigo “União dos Sagrados Feminino e Masculino“, no blog Curandeiras de Si.

***

Grrrl Germs é a coluna do Distúrbio Feminino com links, dicas e piras sobre música, feminismo, tendências, cena nacional, comportamento e tudo mais sobre a Mulher, os meios, o som e o Sagrado. Este boletim soma à nossa produção de conteúdo feita em zine impresso, podcast, posts em redes sociais, playlists e demais mídias. Comentários, sugestões, dicas e erratas podem ser enviados por e-mail: contato@supernova.mus.br.

leia mais
BlogDistúrbio Feminino

Grrrl Germs – 30/4

IMG_20170115_232134

+++ Apanhado de lançamentos, artes, dicas 101% grrrl germs pra quem também não viu Abril passar +++

***

O mês mais corrido do ano teve tanto lançamento e som novo que fica difícil organizar e falar de todos. Segue lista com alguns dos últimos lançamentos pescados entre março/abril:

>>> Luiza Lian lançou disco novo em março. Oyá Tempo é um álbum virtual, conceito que junta música e imagem. É som para ver. O trabalho foi lançado em áudio e vídeo e tem a assinatura particular de Luiza com muita poesia feminista e empoderada. Recomendado pra quem está à procura de diversos idiomas musicais num disco só. Visite o site oficial também pra experiência sensorial completa, uma brisa: www.luizalian.com.br

>>> Outra cantautora de destaque com disco novo é a sergipana Marcelle, a Equivocada, que lançou o segundo álbum em março. A pegada é retrô, romântica e minimalista. Ponto alto justamente pela produção recatada mas marcante dela com Dustan Gallas (Cidadão Instigado).

>>> Black Cold Bottles é um quarteto de São Bernardo do Campo e lançou Percept, um full bem agradável pra quem gosta do punch das guitar bandas seminais mas sabe apreciar o existencialismo soturno de figuras como Nick Cave. A figura feminina do grupo é Larissa Lobo, que traz o diferencial tocando ukulele. Ela também assina linhas de guitarra e divide os vocais com Bruno Carnovale.

 

>>> Pra quem gosta de eletrônico e lo-fi e não vê problema nenhum nessa soma, Melies é um duo composto por Danna (que mora no Rio Grande do Sul) e Giovanni (SP). O debut Ephemeris (Nap Nap Records) foi feito à distância e é de atmosfera escura, minimal, às vezes tensa, às vezes calma, trip que merece ouvir de fone.

 

>>> Ainda na pegada eletrônica, destaque pro primeiro EP da banda OZU, formada em SP, em 2015. The Downbeat Sessions nº1 junta o orgânico da guitarra/baixo/bateria com o sintético e as levadas eletrônicas de um trip hop jazz no melhor estilo inglês. Juliana Valle  tem os vocais e interpretação mais que propícios pra este estilo:

>>> Cada vez mais sujo, o trio Letty and The Goos liberou dois singles inéditos em abril. “From the Cold” e “Ugly Demons” estão para ouvir/baixar no Bandcamp e foram lançadas pela Dinamite Records.

 

>>> Também teve lançamento do primeiro clipe do In Venus, quarteto noise/post-punk de SP. “Mother Nature” foi o primeiro single do EP de estreia (que não vai demorar pra chegar) e agora sai também com vídeo criado a partir de imagens compartilhadas via Creative Commons.

 

>>> Estreia aguardada, o primeiro álbum de Charlotte Matou um Cara veio com a explosão que os primeiros singles prometiam. O quarteto paulistano tem toda a garra e sonoridade pra ser a nova banda punk/HC feminista de visibilidade nacional que estávamos esperando desde o começo do milênio. Espalhem esse disco, horrorizem xs vizinhxs:

 

>>> Miss Corin Tucker não descansa. Este mês teve lançamento do Filthy Friends, a nova superbanda da qual ela faz parte. Já haviam dois singles lançados (ambos especiais à projetos beneficentes) e a banda acaba de lançar mais duas músicas para o Record Store Day (na sexta-feira, 21/abril). O single foi prensado em 7″ pela Kill Rock Stars e é o carro-chefe dos primeiros shows, que acontecem pelo Noroeste dos States nos próximos dias. Filthy Friends é Corin Tucker (Sleater-Kinney) ao lado de Peter Buck (REM), Scott McCaughey (The Young Fresh Fellows/The Minus 5), Bill Rieflin (REM/King Crimson), Kurt Bloch (Fastbacks) e, ocasionalmente, Krist Novoselic.

Enquanto isso, o Sleater-Kinney anunciou que está com música inédita na nova compilação de apoio ao Planned Parenthood. Os lançamentos serão em 7″ e trazem artistas como St. Vincent, Björk, Sharon Van Etten, Chvrches e muitxs outrxs. Veja aqui a lista completa. Adendo para os 20 anos do transgressor/intransponível/esmagador Dig Me Out, álbum que eternizou a importância e legado do trio de Portland, e que completou duas décadas honrando o melhor do espírito Garotas Fazem O Que Querem.

>>> Pra terminar, agora na última sexta (28), Leslie Feist, 💘, soltou o novíssimo Pleasure. Como sempre uma audição fácil e agradável, as primeiras impressões são as melhores, um saudoso pop. Ouça aqui.

***

Por aí:

>>> PapodeMulher é um novo meio independente produzindo conteúdo feminista. A aposta é fazer entrevistas em vídeo com mulheres que têm muito a dizer. Acompanhe o canal no Youtube e assista as edições já lançadas, todas uma lição.

>>> Tenho seguido e adorado o Feminaria, proposta de rede multidisciplinar para falar sobre tudo acerca de Feminismo, representatividade de gêneros, consciência coletiva, direitos e expansão feminina em todos os meios visando o empreendedorismo e crescimento da mão-de-obra/intelecto das mulheres na sociedade. Favorite e siga: www.feminaria.com.br .

***

Artes:

>>> Coletivo Cósmico é a proposta de um grupo de mulheres artistas fazendo desenhos, fotografias e bordados para tratar de assuntos pertinentes ao empoderamento e liberdade sobre nossos corpos/emoções/fantasias. Os trabalhos são delicados mas não deixam de expressar toda a tormenta que passamos/força que buscamos quando se trata de conquistar equidade, respeito e pertencimento. Passe no Iluria pra conhecer e comprar peças do catálogo.

(“Mãe Universo”, de Daniella Salamão)

(“Correnteza”, bordados de Camila Visentainer)

>>> Ao ler este artigo sobre culinária emocional, conheci a série “Women and Food” de Lee Price, artista americana que coloca a Mulher no centro de seus trabalhos. As imagens poderiam facilmente passar por fotografia, mas são ilustrações hiper-realistas feitas em óleo. Abaixo uma das peças desta série e outra da série “Surfacing”. Impressionante. Veja mais no site: www.leepricestudio.com .

(“Women & Food”)

(Surfacing)

>>> Lady Guedes é Fernanda Guedes, ilustradora de SP. O trabalho da Lady é bem contestador e fala através de desenhos que exploram o comportamento feminino, a sexualidade e a diversidade de gêneros. Ela já teve trabalhos expostos nos EUA, Inglaterra, Espanha, Austrália e Japão, além de estar sempre pelas ruas de SP com intervenções como lambes e murais.

***

Dando continuidade às ideias do Sagrado/Futuro Feminino e à atual percepção de que apenas partindo do coração/poder anímico mudaremos o mundo (((e fortaleceremos o salto quântico em transição pelo qual nossa querida Mãe Terra está passando))), deixo partes de um artigo muito esclarecedor e de fácil assimilação sobre a importância de nos reconectarmos ao nosso próprio centro (onde reside tudo aquilo que precisamos) para expandir as transformadoras forças geradas pelo Divino Feminino/Era do Coração equilibrando o Feminino e Masculino que habitam em todxs nós.

(Arte de Burgandy Viscosi)

Deus, Fonte, Consciência Divina, ou qualquer forma que vocês escolham para denominá-La, é inteira e completa, um equilíbrio de energia masculina e feminina. O Divino feminino é o aspecto Deus/Mãe do UM, enquanto o Divino masculino é o aspecto Deus/Pai do UM. Grande parte do mundo continua a reconhecer e venerar somente o aspecto Deus/Pai, relegando a outra metade de Deus como sendo irrelevante ou mesmo não existente. Muitas religiões continuam, ainda nos dias de hoje, a promover essa interpretação grosseiramente falsa da verdade.

As energias do Divino feminino estão centralizadas no coração, fluem como amor incondicional e são absolutamente necessárias para o todo. Sem o aspecto feminino de Deus, vocês têm um mundo guiado predominantemente pelo lado esquerdo do cérebro, de um paternalismo desprovido de amor, que é exatamente o que vocês estão testemunhando em tantos lugares.

Corações fechados não permitem que fluam as energias receptivas, intuitivas e criativas do Divino Feminino, resultando num desequilíbrio e sobrecarga de energias masculinas – as energias ativas daquele que deve ser, fazer e ter a lei e poder.

Esse desequilíbrio pode facilmente ser observado ao redor do mundo e particularmente se manifesta no oriente médio, onde maior parte as mulheres ainda vivem sujeitas ao domínio e caprichos do masculino.

Num certo ponto da evolução espiritual de todos, vem uma conscientização acerca desses desequilíbrios e eles começam a questionar intuitiva e silenciosamente muitos conceitos e crenças antes aceitos como normais.

Homens e mulheres que viveram suas vidas com os corações fechados, bloqueando a completa expressão das energias do Divino Feminino, acharão que o processo do despertar é um momento confuso e doloroso porque eles construíram suas identidades e seu valor próprio sobre o mito de ser o masculino mais importante do que o feminino.

Entretanto, o processo de abrir o coração só pode começar quando a pessoa se dá conta de que ele está fechado.

(…)

Aceitar o feminino como sendo exatamente tão importante quanto o masculino pode ser um processo esmagador para aqueles que foram criados em sociedade que promovem os machos como sendo mais valiosos do que as fêmeas.

No entanto, muitos estão agora prontos para compreender e aceitar a vital importância da energia da Mãe Divina – as energias receptivas, intuitivas, criativas e de amor incondicional manifestando-se em todos os níveis: físico, emocional, mental e espiritual.

Da mesma forma, de igual valor e importância são as energias do Divino masculino – o ativo, aquele que é, aquele que faz, o pensador. Essas facetas da energia do Divino Pai são igualmente necessárias para a completa e inteira expressão de Deus. Elas estão destinadas a trabalhar paralelamente com a energia feminina, de forma que todas as ações são equilibradas com amor incondicional.

Uma mulher equilibrada parece e age de forma feminina, mas respeita a si própria, está apta a dizer não, reconhece seu próprio poder inato e não tem medo de assumir o controle quando necessário com ações que refletem as necessidades, não os desejos, de todos os envolvidos.

Um homem equilibrado é aquele que toma decisões e aprecia as atividades do masculino, mas não tem medo de amar e ser amado, respeita os outros e não sente a necessidade de dominar para vivenciar seu valor próprio.

Nós não estamos falando de mulheres que tentam ser homens ou de homens que tentam ser mulheres. Falamos da evolução da humanidade para uma inteireza espiritual, através da aceitação e expressão de ambas as “metades” da Unidade Divina.

Uma mulher equilibrada continuará a parecer e se comportar de modo feminino, da mesma maneira que um homem equilibrado continuará a agir e parecer masculino, mas uma vez que ambos os centros estejam abertos (lado esquerdo do cérebro e coração), mulher e homem serão capazes de viver e expressar ambos os aspectos em cada situação.

A consciência tridimensional continua a difundir, através de filmes, TV, jornais e revistas, jogos e publicidade, conceitos de “homem de verdade” como sendo somente aqueles que são duros, dominantes e poderosos sem levar em consideração quem pode ser ferido no processo. Muitos ainda aceitam esses mitos, os quais, em sua maioria, são difundidos por aqueles que se beneficiam de alguma forma pela sua continuação.

(…)

A mídia continua a divulgar conceitos da mulher ideal como aquela que é fisicamente perfeita e bela, mas um tanto sem cérebro, e que precisa de um homem para ter algum valor. O homem ideal é divulgado como sendo fisicamente forte e poderoso, incumbindo-se de cada situação a “seu” modo, bem como sendo rico e bonitão, e, junto com a mulher ideal, vive feliz para sempre.

Esses conceitos estão desaparecendo rapidamente para a maioria, mas ainda existem muitos, até mesmo em meio aos evoluídos, que pensam sobre si mesmos como sendo a metade de um casal e necessitando da “pessoa certa” para que se sintam inteiros.

(…)

É preciso chegar para cada alma em evolução um tempo de equilíbrio entre as energias masculina e feminina que já estão presentes inteiramente dentro de cada indivíduo: as características do masculino de autoproteção e apoio ao ser feminino, e as características do feminino de amor-próprio e receptividade às ideias do ser masculino, nenhum deles subserviente ao outro.

Através de vidas de experiências baseadas em dualidade e separação, os indivíduos aprenderam que a vida era menos dolorosa se eles fechassem seus corações, o que resultou na criação do desequilíbrio que vocês testemunham no mundo hoje.

(…)

Estas não são apenas palavras bonitas porque o coração é o lugar onde o Divino Feminino permanece até ser reconhecido. Um coração aberto e equilibrado com o masculino permite à alma viver em sua plenitude ao invés de apenas sobreviver como uma metade.

(por Amanda Cordeiro e Suzel Mendonça)

***

Grrrl Germs é a coluna semanal do Distúrbio Feminino com links, dicas e piras sobre música, feminismo, tendências, cena nacional, comportamento e tudo mais sobre a Mulher, os meios, o som e o Sagrado. Este boletim soma à nossa produção de conteúdo feita em zine impresso, podcast, posts em redes sociais, playlists e demais mídias. Comentários, sugestões, dicas e erratas podem ser enviados por e-mail: contato@supernova.mus.br.

leia mais
BlogRádio

Supernova Radio Show #3

13262314_10207854754105848_759073945_o

Número três da Supernova na Rádio FAAP com:

Na sequência tem roteiro e comentários na íntegra:

Supernova #3

Primeiro vamos com Zeca Viana, recifense referência de Lo-Fi. Em fevereiro, Zeca lançou o Bootleg Instância, compilado de quatro faixas que não entraram no álbum Estância, lançado em 2015. Aqui vamos ouvir “Avenida Estância”.

Do Pernambuco vamos lá pro Rio de Janeiro pra ouvir Estranhos Românticos, quarteto de rock espacial tropical. O grupo lançou o primeiro álbum em 2016 e aposta em grooves, muitos teclados e tem uma pegada surrealista, coisa que acontece nessa faixa que vamos ouvir, “Lobo Mau”. A faixa ganhou clipe, lançado agora em março, que mistura a história da Chapeuzinho Vermelho com a lenda do lobisomem. Este trabalho de estreia, também chamado de Estranhos Românticos, tá pra ouvir e baixar gratuito na internet.

FAIXA 1 – Zeca Viana – Avenida Estância || FAIXA 2 – Estranhos Românticos – Lobo Mau

No final de março teve lançamento nº 0177 do selo Sinewave, o novo full do The Tape Disaster, banda gaúcha de post/math-rock. O disco, chamado Oh! Myelin, tem oito faixas e a estreia nos palcos foi no festival da Sinewave no dia 31/março, aqui em SP, no Z Carniceria. Aqui vamos ouvir “Tsuru”.

Na sequência, tem nova faixa do BIKE, um dos headliners da nova transcendência nacional. Bike chegou pedalando, claro, diretamente de um túnel de 1943, ano que deu nome ao primeiro trabalho, de 2015. Dois anos e muitas trips depois, eles lançam o segundo trabalho, com previsão de ser batizado como Em Busca da Viagem Eterna. Até agora foram três singles divulgados deste novo, e aqui a gente ouve “Inigma dos 12 Sapos”. BIKE é um dos nomes brasileiros que tocam este ano no festival espanhol Primavera Sound.

FAIXA 3 – The Tape Disaster – Tsuru | | FAIXA 4 – BIKE – Enigma dos 12 Sapos

Venusianas sulistas hoje com Katze, de Curitiba, e Juna, de São Leopoldo.

Katze é curitibana e metade do duo Cora. A guitarrista e compositora lançou um EP solo agora em março com 4 temas, todos dedicados à Lua e suas 4 fases. O som é um belo stargaze dissonante com incursões eletrônicas experimentais. O trabalho chama Moon Phases of a Relationship e cada faixa é sobre uma das fases da Lua. Lançamento da PWR Records. Vamos ouvir “New Moon”.

Do RS, na cidade de São Leopoldo, as boas novas vêm com Juna, duo que tem Victória Apollo dividindo as composições, vocais e produção. Dreampop do bom, aqui vamos ouvir a faixa que dá título ao primeiro EP, lançado em fevereiro pela Lezma Records, “Marina Goes to the Moon”.

FAIXA 5 – Katze – New Moon || FAIXA 6 – Juna – Marina Goes to the Moon

Fechando esta edição tem lançamento fresquinho que acabou de sair pela Supernova, o EP de estreia de Renato Spinosa.  Este trabalho solo, chamado Beijo Burocrático, é a soma de muitos anos compondo e afinando ideias. Em apenas quatro faixas, este EP mede tudo muito bem, e vai do pop ao cafona, com pegada retrô mas totalmente moderninha. Vamos ouvir a super radiofônica “Gabriela sem cravo e sem canela”.

FAIXA 7 – Spinosa – Gabriela sem cravo e sem canela

Créditos de gravação e direção: Mikael Roiha e Alziro Tonim.

Exibido em 18/4/2017.

leia mais
BlogRádio

Supernova Radio Show #2

13262314_10207854754105848_759073945_o

Segunda edição do programa da Supernova na Rádio FAAP com:

Graxa, “Pessoas” •
Kiko Dinucci, “No Escuro” •
Motormama, “Te Vejo na Cosmopista” •
Cidade Dormitório, “Love LoFi” •
Ana Muller, “Me Cura” •
Marcelle Equivocada, “Um Brinde a Nada a Nós” •
Aláfia, “SP não é Sopa”

Na sequência, roteiro e comentários na íntegra:

Supernova #2

Duas primeiras são Graxa e Kiko Dinucci, grandes mentes do nonsense. Graxa é pernambucano e lançou no fim de 2016 mais um álbum, chamado Canções de Protesto. Neste novo, o violão é o companheiro e as composições são mais minimalistas do que nos primeiros trabalhos, mas aquela maresia típica de Angelo Souza continua em alta, principalmente nas letras. De Canções de Protesto, vamos ouvir “Pessoas”.

Kiko Dinucci trouxe a verborragia para seu trabalho solo Cortes Curtos, lançado em fevereiro. Dinucci é parte de uma cena que eu gosto de chamar de Antropofágica e Novo Modernismo Brasileiro, da qual fazem parte, obviamente Metá Metá e Passo Torto, suas duas bandas, e artistas como Ava Rocha, Iara Rennó, Karina Buhr e tantos outros. As referências vão desde a cultura dos terreiros até a Vanguarda Paulista, dos irmãos Paulo e Arrigo Barnabé.

Kiko é guitarrista exemplar e gosta de tocar alto. Vamos ouvir a música de abertura de Cortes Curtos, “No Escuro”, que tem as vozes de Juçara Marçal, Ná Ozetti e Tulipa Ruiz .

Ambos de assinatura muito particular. Não deixe de ouvir os álbuns completos.

FAIXA 1 – Graxa – Pessoas || FAIXA 2 – Kiko Dinucci – No Escuro

Motormama é um longevo quinteto de rock caipira psicodélico resistência de Ribeirão Preto com 18 anos de história. Agora em janeiro, lançaram o quarto álbum de estúdio, chamado Fogos de Artifício. O lançamento é da Midsummer Madness, que lança o Motormama há muito tempo. Vamos ouvir “Te Vejo na Cosmopista”.

Lá do outro lado do país, vamos ouvir Cidade Dormitório, banda de Aracaju que lançou o primeiro EP no final de 2016. Escolhi a última faixa, chamada “Love LoFi”, que tem flauta transversal e uma ode aos apaixonados pelo som abafado. As outras três faixas do EP de estreia também merecem audição atenta, facinho de achar e de degustar.

FAIXA 3 – Motormama – Te Vejo na Cosmopista || FAIXA 4 – Cidade Dormitório – Love LoFi

Venusianas da vez: as duas novas vozes femininas de hoje são Ana Muller e Marcelle.

A Ana é capixaba e lançou em janeiro um EP de estreia. Lançado pelo selo Garimpo, o trabalho leva apenas seu nome, Ana, e tem pegada pop mas visita diversos estilos regionais. Vamos ouvir “Me Cura”.

Na sequência, Marcelle, sergipana que lançou seu segundo álbum em março. Com todas as composições autorais, Equivocada é uma co-produção com Dustan Gallas, do Cidadão Instigado. Escolhi a faixa “Um Brinde a Nada a Nós”, que tem um toque bem retrô na voz e no uso de melotron.

FAIXA 5 – Ana Muller – Me Cura || FAIXA 6 – Marcelle – Um Brinde a Nada a Nós

Pra fechar, tem som novo da big band Aláfia, que lançou em março o álbum São Paulo não é Sopa. O disco é tudo que Aláfia faz de melhor: juntar tudo que pode. Tem funk, groove, rap, afro, samba e o que mais tiver.

Tamos ouvir a faixa-título, que tem participação de Tássia Reis e Marcela Maita.

FAIXA 7 – Aláfia – SP não é Sopa

Créditos de gravação e direção: Mikael Roiha e Alziro Tonim.

Exibido em 4/4/2017.

leia mais
BlogDistúrbio Feminino

Grrrl Germs – 2/4

IMG_20170115_232134

Por trás da edição #3 do nosso zine. Girl Rock BR pra atualizar a playlist e a agenda. As mulheres submersas e um devaneio sobre Moe Tucker. O Mito de Akhilandeshvari ::: a divindade do “nunca-não-quebrado”, a resiliência e o refazer-se.

***

Na última quarta-feira (29), nosso zine novo saiu do forno! Esta edição de verão (os zines são sazonais) chegou no começo do outono mas ficou maturando as ideias por mais de dois meses. São seis páginas de Distúrbio Feminino puro com editorial, colagem, ilustração da Carol Ito/Salsicha em Conserva e entrevista com Elisa Gargiulo, guitarra/vocal e única integrante original do Dominatrix. Abaixo tem as páginas comentadas e pra ler na na íntegra, acesse aqui. O lançamento do nº 3 também foi feito com as zinesters da Drunken Butterfly.

Capa: uma arte de paciência feita com tiras de papel trançadas. No original é muito mais bonito. 😉

No Editorial, a ideia era falar de música mas também da Era dos Sentidos, ideia que permeia todo o Sagrado. Como já dito nesta Grrrl Germs, o segundo álbum do Manequinn Pussy é tudo que o Divino propõe: uma catarse das nossas emoções que nos leva a olhar de maneira diferente para nós mesmos – a desconstrução, o auto-empoderamento, a reconexão. Perguntei à Marisa Dabice, voz/guitarra/composições, como era “sentir tudo ao mesmo tempo“. A resposta dela tá lá pra quem quiser ler.

Essa colagem estratosférica foi um trabalho de surrealismo para falar sobre Vênus, a força feminina planetária que vem do cosmos. Vênus não é roxa, mas na foto usada, tirada dos arquivos da Nasa, ela está sob luz Ultra Violeta e não poderia ser mais bonita para compor essa imagem. O parágrafo não faz sentido e foi feito depois da colagem. Em chinês provavelmente daria um belo haikai.

A Carol Ito é uma florzinha. 🌸 Nos conhecemos virtualmente no final do ano passado e já deixamos combinado que ela faria uma ilustra pro zine. E ela não poderia ter captado melhor o que é o Distúrbio Feminino usando a Salsicha em Conserva, esta inverossímil personagem feminista. Pra conhecer mais sobre os trabalhos e tudo que a Carol faz, tem entrevista com ela nesta Grrrl Germs Extra.

Nas páginas 5 e 6 tem entrevista com a Elisa Gargiulo, fundadora do Dominatrix. A ideia deste papo era olhar pra trás e ver como/oque era a cena e o feminismo de 20 anos atrás. Em 2017, o seminal Girl Gathering, primeiro álbum da banda, completa duas décadas e é um marco sem igual para o punk nacional. Não deixe de ler.

***

Muitas e muitas novidades na música, mas pouco é o tempo pra assimilar e ouvir todas. Separei os 4 nacionais mais ouvidos das últimas semanas:

>>> Bloodbuzz estava com o primeiro álbum guardado há tempos. Silence in the City é pra quem gosta de rock, pura e simplesmente. Mas não dá pra negar que eles têm um lado pop radiofônico também, canções bem assimiláveis que ganham qualidade melodiosa extra com o vocal da Júlia Abrão.

 

>>> No último dia 20, Ostra Brains colocou um novo EP no ar, Sirihorse. Diferente do primeiro lançado, Gelato Luv, este novo tá com bem mais pressão e >>> pungência <<<. A tosquice de ser lo-fi tá lá mas a o punk sujão merece mais volume.

 

>>> Já o Futuro liberou A Torre da Derrota também naquela segunda-feira.

 

>>> Juna é um duo de São Leopoldo (RS) com Victória Apollo dividindo as composições, vocais e produção. Spacepop/stargaze ultra fino. Marina Goes to the Moon é o EP de estreia:

 

***

Dois crushes recentes:

>>> Esta versão KimGordoniana para “Moist Vagina”, do Nirvana:

Kurt Cobain escreveu essa letra explícita e poética, porém, ela não é sobre a vagina em si mas uma metáfora para maconha. Tanto é que nas pontes, os gritos são de “Marijuana”. Perguntado sobre essa composição, Cobain respondeu que a maconha é a única parceira que ele precisava “comer”.

>>> Esta foto de Alisson Wolfe, 💘:

***

Por aí nós próximos dias:

>>> 24/junho tá marcado para acontecer o Dia da Música, evento com a ideia de celebrar a música por todo o país. A proposta agrega bandas/artistas e palcos/produtores a fim de promover shows negociados através de uma plataforma de relacionamento.

Em parceria com a aliança SÊLA (conheça mais aqui), a Supernova está produzindo um palco exclusivo de cantautoras. Serão seis mulheres incríveis se apresentando na Associação Cultural Cecília. Um line-up pra quem tem peito. Em breve sai a programação completa.

 

>>> No próximo sábado (8), tem o primeiro festival das minas do Hérnia de Discos, selo feminino/feminista. A festa é no Breve (SP) com duelo das monobandas Bloody Mary Una Chica Band e Harmônicos do Universo, show da dupla Winteryard e uma reunião extra-ordinária da Academia Brasileira de Tretas, a banda Hangovers (RS). Saiba tudo na página do evento, aqui.

 

>>> Já no dia 23/abril, Charlotte Matou Um Cara faz lançamento do disco de estreia na Trackers, também em SP. No mesmo dia, e pra festa ser ainda maior, tem shows de Lâmina, Sapataria, MOITA e Ratas Rabiosas. Discotecagem, poke tattoo e quitutes também fazem parte das atrações. Saiba mais aqui.

***

Arte aquática 💦 :

Conheci recentemente a série Dones d’aigua, trabalho da ilustradora espanhola Sonia Alins. Bem sublime, os desenhos mostram mulheres quase imersas usando papel translúcido para dar o efeito turvo da água. As obras estão numa linha tênue entre a tranquilidade de estar mergulhando e o desespero de se afogar.

Quando vi este trabalho de Sonia, imediatamente o relacionei à sensação de degustar os álbuns solos de Maureen Tucker, que são a trilha perfeita para passar horas numa banheira cheia. E ouvir esses solos de Tucker, com toda a força de sua sensibilidade, é estar ora sentindo a calmaria da água em repouso ora a inquietude de suas ondas. Life in Exile After Abdication (1989) pode traduzir isso tudo. Devaneios…

***

Akhilandeshvari é uma divindade hinduísta conhecida como a Deusa do “never-not-broken”, do “nunca-não-quebrado/machucado”. Sua força está na resiliência de se transformar a cada vez que se machuca. Akhilandeshvari é também conhecida como Parvati, segunda Mulher de Shiva, e personifica a energia total do Universo.

Consegue refazer-se quando quebra deixando-se aberta às mudanças que não pode controlar ou resistir, uma vez que isso gera medo e nos impossibilita de aprender lições. Assim demonstra que nada está sob nosso controle e apenas as adversidades nos levarão aos nossos verdadeiros sentimentos porque nos pegam desprepradxs e imunes. Ela nos ensina que entregar-se é encontrar uma maneira para solucionar tudo e, melhor, triunfar. É a divindade que representa a vicissitude (sequência de mudanças em curso) mas sem o apego do controle – ela deixa fluir pois é o natural. Poder quebrar e rejuntar-se é sua melhor qualidade pois é infinita e abundante, uma habilidade que sempre traz a renovação.

Akhilandeshvari

O mito de Akhilandeshvari está regendo nosso presente momento do Sagrado Feminino e se relaciona diretamente à era de transição pela qual Gaia, a Mãe Terra, acaba de passar [entenda mais aqui sobre o fim da transição e o começo da Nova Terra].

A Terra, assim como a Deusa, acaba de renascer em si mesma com essa ascendência vibracional. Ela também esteve quebrada por um tempo (mas o tempo para a Terra não se compara ao dos humanos e, nesta situação, quer dizer milênios) tentando se recalibrar para chegar a a uma nova versão de si mesma.

Nesta nova dimensão adentrada por Gaia (que elevou-se da 3ª para a 5ª Dimensão) não é mais possível viver no velho paradigma das emoções racionais – as que o nosso ego nos faz ter – então acharemos soluções para nos refazer apenas com as emoções da alma/do coração anímico (protagonistas do Divino Feminino). O coletivo agora está mais desperto para consumir/buscar alimentos que possam saciar seus sentimentos verdadeiros, não suas paixões/dependências/desejos terrenos pois eles não satisfazem mais os pedidos do nosso Eu Interior/Mãe Terra, não estão em alinhamento com as necessidades desta nova fase planetária.

Aquelxs que conseguirem se quebrar – & mantiverem-se quebradxs para que o Novo possa entrar – estarão na frequência da recém-ascendida Terra e poderão experimentar todo o potencial de ser resiliente e mutável, assim como ensinam Akhilandeshvari e as boas mães.

***

Grrrl Germs é a coluna semanal do Distúrbio Feminino com links, dicas e piras sobre música, feminismo, tendências, cena nacional, comportamento e tudo mais sobre a Mulher, os meios, o som e o Sagrado. Este boletim soma à nossa produção de conteúdo feita em zine impresso, podcast, posts em redes sociais, playlists e demais mídias. Comentários, sugestões, dicas e erratas podem ser enviados por e-mail: contato@supernova.mus.br.

leia mais
BlogRádio

Supernova Radio Show #1

13262314_10207854754105848_759073945_o

No dia 21/março, a Supernova fez estreia na Rádio e TV FAAP com boletim sobre a Nova Música BR. Depois de 11 anos produzindo conteúdo para a rádio, em 2017 apostamos que o menos é mais e optamos por um jogo rápido: a cada programa, meia hora de lançamentos recentes, novidades e vários dos assuntos que rolam na produtora – dos shows aos álbuns divulgados por aqui.

Seria impossível deixar a produção feminina sem o destaque que merece, por isso, a cada edição temos o “Venusianas”, quadro que apresenta as mulheres mais talentosas do Brasil. E vamos para todos os cantos, de Norte a Sul, do centro à periferia para trazer os mais variados estilos produzidos país afora, folk, indie ou rap, quem sabe até um anarcofunk.

Acompanhe todos os dias, no mesmo horário, as nossas super novas pelo site da rádio ou pelo TuneIn. Visite nosso Mixcloud e siga nosso conteúdo.

Nesta primeira seleção só tem do bom e do melhor:
Macaco Bong • “Baião de Stoner” •
Camarones Orquestra Guitarrística • “SinksMania” •
Cigana • “Às Vezes Cansa” •
Thrills & The Chase • “Rogue Vogue” •
Iara Rennó • “Vulva Viva” •
Laya Layá • “Mais Brilhantes” •
Rashid • “Abre Caminhos” •

***

Todas as edições também serão divulgadas com o roteiro e comentários na íntegra.

Supernova #1

Duas potências da música instrumental: Macaco Bong e Camarones Orquestra Guitarrística. Do Macaco tem “Baião de Stoner”, do último álbum, chamado Macaco Bong, lançado no ano passado. Macaco Bong toca em SP no próximo dia 31/março, no festival da Sinewave, ao lado de Huey e The Tape Disaster, no Z Carniceria.

Já Camarones, banda potiguar, acaba de lançar o quarto álbum, Fexxxta. Completando 10 anos em 2017, o trio já está em turnê e vai rodar o país nos próximos meses. Aqui vamos com a faixa de abertura deste novo trabalho, “Sinks Mania”.

FAIXA 1 – Macaco Bong – Baião de Stoner || FAIXA 2 – Camarones Orquestra Guitarrística – Sinks Mania

De Limeira, SP, tem som novo do Cigana. O quinteto começou em 2013 e já lançou alguns EPs e singles. Em fevereiro, divulgaram a inédita “Às vezes cansa”, escolhida pra ouvir aqui.

Depois tem “Rogue Vogue”, faixa que está no primeiro álbum dos paulistanos Thrills and The Chase, chamado Original Monday Night Soundtrack. O Thrills aposta num piano rock com referências dos anos 70 mas sem soar retrô. Vamos ouvir “Rogue Vogue”.

FAIXA 3 – Cigana – Às Vezes Cansa || FAIXA 4 – Thrills and The Chase – Rogue Vogue

Na sequência, Venusianas, nosso quadro de destaque às novas cantautoras do Brasil.

Primeiro tem Iara Rennó, que em 2016 lançou o álbum duplo Arco Flecha, trabalho impecável. Depois, vamos ouvir “Mentes Brilhantes”, da Laya, cearense que despontou na música com a banda O Jardim das Horas. Ano passado chegou seu primeiro trabalho solo, que leva seu nome.

FAIXA 5 – Iara Rennó – Vulva Viva || FAIXA 6 – Laya – Mais Brilhantes

Pra fechar, tem “Abre Caminhos”, single inédito que Rashid lançou este ano. Com a pegada spiritual jazz que levou para seu primeiro álbum, A Coragem da Luz, lançado em março do ano passado, Rashid dá mais uma amostra de seu rap lírico nesta nova faixa, lançada agora em fevereiro.

FAIXA 7 – Rashid – Abre Caminhos

Créditos de gravação e direção: Mikael Roiha e Alziro Tonim

Exibido em 21/4/2017.

leia mais
BlogDistúrbio Feminino

Grrrl Germs Extra ::: Entrevista Carolina Ito (Salsicha em Conserva)

contracapa_jpg

A Carol Ito é novinha, mas sua experiência e vivência nos meios artísticos e acadêmicos é longa. Começou a rabiscar desenhos ainda na infância, inspirada nas revistas de mangá e na própria imaginação. Escolheu cursar Jornalismo como graduação mas está nos finalmentes de um mestrado em Ciência da Informação pela ECA-USP com pesquisa sobre a produção feminina de quadrinhos nos meios online.

Carol participa de feiras, debates e já fez colaboração para veículos como Revista Trip, Caros Amigos e jornais impressos. Em todos os lugares que vai, leva consigo o auto-empoderamento de ser Mulher nas Artes. Seu trabalho mais conhecido é a Salsicha em Conversa, personagem incomum, rebelde e contestador das normas.

A seguir tem entrevista com a Carol e, na próxima edição de nosso zine impresso, tem ilustração exclusiva e badass da Salsicha mais feminista de que se tem notícia!

Distúrbio Feminino: Qual a primeira memória que você tem de querer desenhar? Em qual momento percebeu que gostava disso?

Carol: Lembro que minha mãe comprou umas revistinhas de mangá e eu comecei a copiar algumas figuras. Ela elogiou (um milagre!), então, eu fiquei meio viciada em desenhar.

DF: Como desenvolveu seu estilo?

Carol: Não sei se desenvolvi um estilo homogêneo, mas sempre tento fazer coisas que eu acho que têm a ver comigo, com a minha personalidade. Em termos de técnica, acho que ainda estou buscando algo mais uniforme, mas sem pressa.

DF: Fale sobre seu currículo acadêmico.

Carol: Minha graduação foi em Jornalismo, na Unesp de Bauru. Agora, estou cursando Mestrado na área de Ciência da Informação, na ECA-USP, e minha pesquisa é sobre produção feminina de quadrinhos publicados na internet. É uma tentativa de mapear as mulheres que estão publicando no Brasil, porque acho importante ter esse registro, também em nível acadêmico.

DF: E seu currículo de trabalhos.

Carol: Eu faço freelas de reportagem e para a Batuq, empresa de design da informação. Tento me especializar na área do Jornalismo em quadrinhos e já publiquei reportagens nesse formato no site da Revista Trip e revista Caros Amigos. Aliás, fiz um livro em formato de reportagem em HQ chamado “Estilhaço: uma jornada pelo Vale do Jequitinhonha”, que foi meu TCC em jornalismo. É uma reportagem baseada em uma viagem que fiz para a região, conhecida pela pobreza e seca.

DF: Conta sobre o Salsicha em Conserva. De onde surgiu, qual foi a ideia, pq uma salsicha? rs

Carol: Bem agora com essa polêmica da carne de papelão, da salsicha… rs Eu queria fazer um livro em quadrinhos como TCC, então, sabia que precisava desenhar mais do que o habitual para aperfeiçoar o trampo. Então, em 2014, eu criei um blog para postar meus quadrinhos, o Salsicha em Conserva. Eu queria falar de coisas que eu gosto e, obviamente, o boteco foi a primeira coisa que me veio à cabeça. No interior de SP, todo boteco de respeito tem os potes de salsicha em conserva no balcão e eu sou uma apreciadora dessa iguaria tóxica e cancerígena. Depois de pensar no nome do blog veio a ideia de desenhar personagens salsichas. Acho que todo mundo é um pouco salsicha na vida, tem aquele lado tóxico e artificial. Claro que eu tento exacerbar isso com meus personagens e acabo fazendo críticas políticas e de comportamento.

DF: Você participa de várias feiras e bate papos pelo país e na gringa sobre quadrinhos e a Mulher nos quadrinhos. O que você poderia dizer sobre esses encontros?

Carol: É sempre bom estar dividindo esses espaços com outras mulheres que vivem situações parecidas, sempre aprendo muito sobre o trabalho na área de quadrinhos e sobre mim mesma, no final das contas. Sinto que muitas mulheres, mesmo tendo trampos fodas e se dedicando pra caramba, além de serem menosprezadas, têm que enfrentar diariamente uma infinidade de inseguranças por ocuparem espaços tradicionalmente masculinos. No último Encontro Lady’s Comics (evento organizado por um coletivo incrível, que surgiu para dar visibilidade ao trabalho das minas), que aconteceu em Belo Horizonte, no meio de 2016, ficou claro que temos o hábito de “pedir desculpas” por conquistarmos coisas com nossos trabalhos, ficamos naquele ciclo da “Síndrome da Impostora” e isso acaba desmotivando e até paralisando as mulheres quadrinistas.

(Carol participando da Lady’s Comics 2016)

DF: O mundo dos quadrinhos ainda é sexista? Em que momentos isso acontece?

Carol: Sim, dos mais sexistas dentro da cultura pop, eu diria. Poucas minas são convidadas a trampar em editoras de quadrinhos, poucas têm seus trabalhos publicados, poucas publicam tiras, cartuns e charges nos grandes jornais… Tem muita mina produzindo e publicando de forma independente, mas isso não chega ao mercado editorial e ao mainstream. Cito o episódio mais recente, do concurso de ilustração e quadrinhos da Folha de São Paulo: mais de 800 inscritos de todo Brasil, entre eles, mais de 200 minas. Resultado: nenhuma mulher entre os dez selecionados e trabalhos vencedores de qualidade duvidosa.

DF: Você acha que homens ilustradores e, principalmente chargistas, ainda usam piadas e conceitos sexistas ou percebe alguma mudança?

Carol: Acho que o movimento feminista tem feito muita pressão e divulgado seu posicionamento, o que acaba incomodando muitos desses profissionais. Alguns caras nos procuram para perguntar a opinião sobre algum trampo, mas ainda têm os que só repetem aquela frase mimada “hoje em dia não dá pra falar mais nada” ou reclamam que o mundo “tá politicamente correto demais”, esse velho mimimi.

DF: Como é a articulação em debates e conversas que reúnem homens e mulheres nas feiras e encontros?

Carol: Eu sou mais convidada e participo mais de eventos exclusivos para mulheres, parando agora para pensar. Existem iniciativas de minas que se juntam para vender fanzines nas feiras, para fortalecer o movimento, como é o caso da Venus Press. A gente articula muita coisa pelas redes sociais e é incrível porque minas de vários estados participam e depois a gente acaba se conhecendo pessoalmente.

DF: O que vc acha que mais promove a integração feminina nos meios artísticos hoje em dia?

Carol: Primeiro, é a vontade que as mulheres têm de se juntarem e de buscarem seus caminhos (mesmo que esbarrando em todo mundo) dentro de universos hostis e machistas. Rola um sentimento parecido com o do manifesto Riot Grrrl de que, se não nos juntarmos, continuaremos invisíveis. Além do que, é muito mais difícil e doloroso enfrentar tudo sozinha. Uma ferramenta que facilita essas articulações é a internet e as redes sociais, sem dúvida. Grupos nas redes sociais, como Zine XXX e Lady‘s Comics, mostram a importância da representatividade, porque você vê outra mina publicando suas histórias e pensa: eu também tenho vontade e posso fazer isso.

DF: A Mulher está em ascensão nas artes, mas casos como aquele da seleção de ilustradores da Folha de SP, sem nenhuma Mulher colocada, foi inacreditável. Ao mesmo tempo, os canais alternativos estão em alta e dando muito destaque pras mulheres. Como fugir dessas armadilhas da grande mídia?

Carol: Eu não sei quando a grande mídia será iluminada com o pensamento de que não é possível que só homens publiquem seus trabalhos (sobretudo, brancos e heteros) ou que eles sejam sempre a maioria. Enquanto isso não acontece, a gente segue lutando no campo político, profissional, acadêmico e artístico para garantirmos nosso espaço e representatividade. Estamos por toda parte, uma hora a coisa vai mudar e seremos donas da porra toda. rs

***

Grrrl Germs é a coluna semanal do Distúrbio Feminino com links, dicas e piras sobre música, feminismo, tendências, cena nacional, comportamento e tudo mais sobre a Mulher, os meios, o som e o Sagrado. Este boletim soma à nossa produção de conteúdo feita em zine impresso, podcast, posts em redes sociais, playlists e demais mídias. Comentários, sugestões, dicas e erratas podem ser enviados por e-mail: contato@supernova.mus.br.

leia mais
BlogDistúrbio Feminino

Grrrl Germs – 19/3

IMG_20170115_232134

Cora e Katze: boas novas de Curitiba. Leituras. O Pulo Quântico do Sagrado ::: onde fazemos as mudanças reais?

***

Curitiba em alta: conheça Cora e Katze

Kaíla e Katherine são Cora. Produzem camadas de guitarra mântrica sobre synths e bateria minimal. Com mergulhos shoegaze (ou seria stargaze?), ficam entre o chill e o dreampop, os vocais baixinhos, sussurros, tudo bem delicado e dosado. No Soundcloud tem os três primeiros singles e na nova edição da QRtunes saiu o inédito “Calandria” (saiba como ouvir e baixar aqui).

 

Guitarra e voz no Cora, Katherine Finn Zander trabalha solo como Katze e acaba de lançar seu primeiro EP, Moon Phases of a Relantionship. Com bases eletrônicas e numa pegada que vai do spiritual jazz ao trip hop, Katze está em sintonia com o satélite feminino e saúda as fases da Lua e seus misteriosos efeitos sobre nós.

 

O primeiro single, “Waxing Moon” saiu com clipe cujo protagonista é o belo Lobo, um vira-lata “oferecido, derretido e nunca passa despercebido”, diz Katze. O EP saiu pelo selo feminino PWR Records (PE).

***

Fique de olho:

>>> Esta semana vai ter novo single-clipe da banda mineira Miêta chegando. “Pet” fala sobre a necessidade de fugir dos relacionamentos abusivos” e o clipe foi dirigido por Jonathan Thadeu. Lançamento da Howlin’ Records.

 

>>> Bloodbuzz (SP) divulgou a capa do primeiro álbum, Silence in the City. Lançamento dia 27 em todas as plataformas de streaming e algumas cópias em CD circulando por aí. Tem show de lançamento no domingo, 26, ao lado de Chalk Outlines.

***

No loop, que novidade, PJ Harvey. Show-espetáculo:

***

Leituras:

>>> “Belas, libertárias e do mundo“, no O Globo, assinado por Adriana Carranca, usa mulheres protagonistas no Oriente Médio que ocupam posições altas, geralmente associadas a homens (das forças armadas ao mundo editorial), para dizer que O Futuro é Feminino. Imersão cultural das boas.

A participação de mulheres em processos de paz aumenta em 35% as chances de um acordo durar pelo menos 15 anos; a de organizações civis que incluem grupos de mulheres reduz em 64% as chances de um acordo de paz falhar. A igualdade de gênero está associada à propensão menor de conflitos entre Estados ou guerras civis. Se incluídas em ações de prevenção e em esforços para combater o radicalismo e o extremismo violento, o resultado tende a ser mais positivo e duradouro.

>>> Pra ir entendendo os princípios do Sagrado: “Resgate dos saberes tradicionais das mulheres“, no Ponto Eletrônico, do Box1824.

>>> Entrevista no Bolha Musical com Ieri, fundadora e vocalista da extinta Bulimia, importante banda riot de Brasília da virada do século. Leia ouvindo, claro:

***

O pulo quântico do Sagrado ::: onde fazemos as mudanças reais?

Dias desses, um relato sobre abuso sexual foi tema recorrente entre meu círculo no Facebook. O rapaz estava assediando incessantemente uma garota numa festa. A garota, pra lá de bêbada, mal conseguia ficar em pé. O rapaz, também alcoolizado, aproveitou-se da situação para tentar ficar com a menina à força. As amigas da garota (e também do rapaz), ao perceberem a situação, foram ajudá-la. O caso, logo espalhado entre amigxs, suscitou outras situações onde este rapaz também assediou outras garotas e algumas outras histórias horrendas. Pra resumir, quando isso chegou às redes sociais foi tiro pra tudo quanto é lado. Quando li a postagem da amiga que relatava o caso, percebi uma linha no texto que me chamou muito a atenção. A amiga, no post, dizia que não estava abrindo o caso para que o rapaz fosse malhado e julgado pelxs outrxs >>> algo impossível quando exposto nas redes sociais, onde não há o mínimo controle da propagação <<<, mas para que histórias como essas não mais se repetissem pois têm consequências sérias. Vi aí um pequeno Pulo Quântico* do Sagrado, pois o Sagrado não recrimina ou acusa, ele instrui. 

Custo a acreditar no Feminismo que apenas combate mas não educa e não acredito nada no macho desconstruído que apenas reproduz o que ouve mas não pratica aquilo. Aqui, dois pontos: primeiro, a ressalva de que, no relato, a amiga diz que ela e outras meninas quiseram por muitas vezes ter uma conversa téte-a-téte com o rapaz (((mostrando que tentaram maneiras mais diretas de resolver a questão))) – tentativas que não deram certo por conta da resistência (e, pode crer, muita imaturidade) dele em aceitar o erro, e pior, cometê-lo novamente; segundo, um adendo: vi homens compartilhando o post e fazendo seus discursos moralistas. Homens esses que, pra ficar no nível pessoal (afinal, é apenas do meu ponto de vista que posso falar), já me assediaram também – então a contradição entre o que se diz e o que se faz.

Não sou próxima do rapaz mas, de qualquer maneira, quando soube deste acontecimento, tudo que pude sentir foi uma compaixão extrema por essa pessoa e pelo que ela viria a enfrentar a seguir. A partir do momento que isso foi parar no Facebook, é claro que não houve maneira de contornar mais a situação. E nessas vemos qual a real – se as pessoas perpetuam o ódio ou se querem revertê-lo. Me surpreende ver como algunxs fazem julgamento de caráter como se fossem superiores ou melhores sem se conscientizarem de que elxs mesmxs têm erros para reparar.

No Pulo Quântico do Sagrado também está sermos espelho (não fazer aos outrxs o que não gostaríamos que fizessem a nós) e quebrar esse padrão de machucar porque estamos machucadxs – conhece a expressão em inglês que diz “hurt people hurt people” (pessoas machucadas machucam pessoas)? Ela é um bom exemplo.

Sei que em tempos opinativos calorosos como os nossos esta é uma ideia que será recebida como afronta pois é difícil pensar numa feminista que não vai sair querendo fazer ao cara “o que ele merece”. Não tenha dúvidas de que, na perfeição de todas as coisas, recebemos proporcionalmente o que damos, então não devemos fazer essa justiça com as próprias mãos (((é muito mundano))) porque o Universo vai se encarregar de entregar a lição que a pessoa merece, sabendo exatamente como fazer isso muito melhor que nós.

Não estou dizendo que não devemos fazer nada, e sim dizendo que temos que fazer diferente.

Como Mulher e amiga de caras que também foram expostos em casos assim, fiz minha parte como ser humano: ofereci apoio e fiz o que me cabia, ter uma conversa sincera e aberta, dando exemplos próprios de vezes que fui assediada, situações que passei com ênfase nos danos psicológicos que isso acarreta (danos esses que os próprios caras tiveram que enfrentar) e principalmente sobre as consequências do ato. Tenho certeza que isso foi muito mais eficaz do que me afastar ou ajudar a colocar fogo na discussão. Se eles vão cometer o mesmo erro novamente é uma questão do livre-arbítrio deles – eles já estão cientes das consequências.

Quem vincula o Novo Feminismo ao Sagrado sabe que cabe a nós, mulheres, essa nova consciência: educação, não punição. Castigar não leva à mudança, reeducar sim.

Eu não acredito que homens mudarão seus comportamentos porque foram expostos nesses tribunais das redes sociais e levaram lapada de quem nem conhecem. Acredito que homens mudarão quando forem ensinados de verdade. Nessa transição das Eras (e com a construção do novo paradigma que tanto falamos), ficou para nós, mulheres-protagonistas desta mudança, sermos pioneiras em disseminar essa nova educação dos sentidos, abrir a consciência de nossos parceiros, amigos, companheiros, irmãos, filhos, pais, etc, ao que eles fazem sem cometer os erros da repressão que acorrentam as próprias mulheres há tantos milênios.

Os casos de violência de qualquer gênero (moral, sexual, os que levam à morte) à Mulher não podem jamais passar em branco, mas para cada peso tem uma medida. Estou usando este episódio recente para mostrar onde podemos agir para fazer uma intervenção que funciona. Tenho certeza que o rapaz em questão, e outros que já passaram por isso, aprenderam muito mais através da auto-reflexão depois que amigxs tiveram diálogos sinceros do que com as pedras que receberam. Às vezes gritamos tanto que ninguém entende nada, é só ruído.

O Pulo Quântico do Divino reside nos detalhes, em não perpetuar ideias e atitudes que estamos tentando mudar (((já falei isso há algumas semanas: tratar violência com mais violência apenas resulta em mais violência)))  e na ideia de que somos responsáveis pela evolução dx outrx também. Não se iluda, quem joga pedras vai colher a mesma coisa. Não julgue, ensine. Fortaleça suas próximas mas não esqueça dos seus próximos.

*Na física, um pulo quântico é quando um elétron é potencializado por mais energia e se desprende do núcleo do átomo ao qual está associado. Na meta-física, o princípio é o mesmo: afastar-se, com mais energia, do núcleo ao qual se está associado, criando então uma nova realidade.

***

Sobre tudo isso e mais um pouco, tem esse som do Portishead, “Silence”, do álbum Third. A intro é o sample de uma fala em bom português.

Esteja alerta para a regra dos três. O que você dá retornará para você. Essa lição você tem que aprender. Você só ganha o que você merece.

A frase foi dita por Cláudio Campos, brasiliense e professor de capoeira que mora em Bristol (cidade natal da banda) desde 2003. A colaboração se deu “por acaso” e Cláudio conta nesta entrevista ao G1 que recebeu três opções de texto para gravar, “todos sobre karma e o número três. Falavam que tudo o que a pessoa dá para o mundo ela recebe de volta três vezes. Traduzi os textos, li e eles escolheram esse que saiu no disco”. Mais que auspicioso.

Segue o som:

***

Grrrl Germs é a coluna semanal do Distúrbio Feminino com links, dicas e piras sobre música, feminismo, tendências, cena nacional, comportamento e tudo mais sobre a Mulher, os meios, o som e o Sagrado. Este boletim soma à nossa produção de conteúdo feita em zine impresso, podcast, posts em redes sociais, playlists e demais mídias. Comentários, sugestões, dicas e erratas podem ser enviados por e-mail: contato@supernova.mus.br.

leia mais
1 2
Page 1 of 2