close
Distúrbio FemininoSuper Novas

Sammliz convida Dona Onete para cantar a divindade feminina em novo single, “Deusa da Lua (Mulher Perigosa)”

Sammliz e Dona Onete (Foto – Liliane Moreira)

A mulher soberana de si, atenta a seu divino, potência e força é a “Deusa da Lua (Mulher Perigosa)”, protagonista do novo single de Sammliz com Dona Onete, uma parceria que reforça a ancestralidade feminina e seu poder. Criada ocasionalmente durante uma festa, a canção teve seus primeiros versos cantados ali mesmo, numa conversa informal e que mais tarde seria concretizada em estúdio.

“Dona Onete começou ali mesmo, na minha frente, a esboçar letra e melodia, e rápido saquei o celular para gravar”, relembra Sammliz sobre a ocasião. “Falávamos sobre dificuldades nos começos e recomeços na vida, amores, trabalhos e do quanto ser mulher desempenhando posições de liderança é maravilhoso e também intimidador para grande parte da sociedade”, diz ela sobre o tema e a letra que canta a mulher à frente de sua vida e suas escolhas, a mulher mais perigosa dos tempos modernos.

Não fossem as guitarras pesadas, “Deusa da Lua (Mulher Perigosa)” poderia soar como um brega estiloso, um tanto sombrio, grave como as vozes que a interpretam. A magia feminina inata acena para o mundo, poderosa e confiante de si, “sem aplausos para ninguém”, como reforça o refrão.

A nova faixa é o primeiro lançamento inédito de Sammliz desde o debut Mamba, álbum solo lançado em 2016 pela Natura Musical, e chega também com videoclipe. Assinado pela diretora Adrianna Oliveira (também na direção do clipe anterior de Sammliz, “Quando Chegar o Amanhã”, e premiada com o curta-metragem “A Batalha de São Braz”), o clipe foi realizado com fundos do Edital do Prêmio Produção e Difusão Artística 2017 – Programa Seiva da Fundação Cultural do Pará (FCP).

O clipe, com belas paisagens gravadas em Mosqueiro e Belém, traz a história de uma deva (entidade feminina da natureza) aprisionada a um pequeno mundo dentro de um caleidoscópio, metáfora para a caixa de Pandora, aqui representando o olhar julgador, reducionista e de desejo da sociedade. A deusa presa no caleidoscópio é uma arma de punição à opressão (representada pelo homem que a observa como um voyeur/stalker), abordando o aprisionamento imposto à mulher por papeis estabelecidos, padronizados e cobrados pela sociedade. A liberdade da mulher perigosa retratada como luta, busca, conquista.

“Deusa da Lua (Mulher Perigosa)” é uma co-autoria de Sammliz com Dona Onete, produzida por Sammliz e Leo Chermont (Strobo) e teve direção artística de Carlos Eduardo Miranda. O single é lançado pelos selos Doutromundo e Floresta Sonora. O videoclipe, além da direção de Adrianna Oliveira, tem fotografia por Thiago Pelaes e participação de Elida Braz Zahy Tata, atriz, cineasta, produtora e ativista ambiental paraense.

(Foto: Liliane Moreira | Arte: Enio Vital)

Sammliz é atração confirmada no Festival Trêspraum, em São Paulo, no sábado, 25 de novembro, e em São Luís (MA), no Festival BR135, em dezembro.

Ouças nos canais: Spotify | Deezer | iTunes | Youtube  

Ficha técnica:

Música:

Letra e vozes por Sammliz e Dona Onete

Produzida por Sammliz e Leo Chermont

Mixada por Rodrigo Sanches (Rootsans Studio)

Masterizada por Fernando Sanches (Estúdio El Rocha)

Direção artística por Carlos Eduardo Miranda

Lançamento por Doutromundo e Floresta Sonora

Vídeo:

Direção: Adrianna Oliveira

Assistência de direção: Adriana Faria

Direção de fotografia: Thiago Pelaes

Assistência de fotografia: Kemuel Carvalheira e Júlio Cesar

Produção executiva: Sammliz e Luana Klautau

Coordenação de produção: Luana Klautau

Produção: Thamires Veloso e Laís Teixeira

Direção de arte: Tita Padilha

Making of e still: Erik Lopes, Liliane Moreira

Elétrica: Jerri Pamplona

Atriz: Elida Braz Zahi Tata e Kemuel Carvalheira

Catering: Regina

Siga Sammliz: Site oficial | Facebook | Instagram | YouTube

leia mais
BlogDistúrbio Feminino

Grrrl Germs Extra – A Mulher na Música vai ter o que ela merece: vem aí Women’s Music Event Awards by Vevo, primeira premiação à produção feminina no país

carousel-img

A plataforma Women’s Music Event, criada e lançada em 2016, veio trazer uma nova ferramenta essencial para todas as mulheres da música no Brasil: um banco de dados e trocas de serviços de todos os tipos dentro da cadeia de produção musical e cultural. A ideia bombou e foi prontamente aderida por centenas de mulheres espalhadas pelo país (e até brasileiras no exterior). Esta rede, pensada e idealizada pelas incansáveis Claudia Assef (jornalista e DJ/Musicnonstop) e Monique Dardenne (header da MD/Agency), tem  promovido encontros e negócios desde que entrou no ar, e ainda nos possibilita ficar de olho no trabalho de mulheres fora de nossos círculos.

Após um ano de muito trabalho levando a ideia da WME para várias feiras de música e negócios pelo país – e promovendo ações diversas, como o Plano de Menina e o WME Seda Session – neste segundo semestre, a sacada vai muito além: a WME promove a primeira premiação exclusiva às mulheres do mercado musical no Brasil e está conseguindo movimentar uma quantidade imensa de pessoas do norte ao sul.

Em parceria com a Vevo Brasil, o Women’s Music Event Awards vai premiar mulheres em 13 categorias, além de fazer uma homenagem a uma artista ainda surpresa. A mecânica da premiação foi elaborada pela WME e por Fátima Pissarra, diretora geral da Vevo Brasil, que conseguiram mapear mulheres de todo o país para serem as embaixadoras e responsáveis por indicarem nomes em todas as categorias. Desta seleção das embaixadoras, os nomes mais citados entrarão para a lista final; o público participa votando em 6 categorias, as outras 7 serão votadas por um júri técnico.

A ideia do prêmio veio para ser “um acelerador do reconhecimento [da Mulher na música] e de uma futura mudança no mindset da indústria”, como conta Claudia Assef na entrevista abaixo. Uma iniciativa que demanda organização e muito tempo, a premiação tem tudo para estabelecer definitivamente a importância da Mulher no mercado e mostrar que as previsões de um Futuro Feminino estão em dia.

O prêmio valoriza o trabalho das mulheres no palco e nos bastidores, nas redações, nos estúdios. As categorias elegem melhor álbum, música, cantora, DJ, revelação do ano e videoclipe (por voto popular), e diretora de videoclipe, empreendedora musical, instrumentista, jornalista musical, radialista e melhor show (pelo júri técnico/embaixadoras).

As finalistas serão anunciadas em noite especial, com festa de premiação no dia 28 de novembro, em São Paulo.

A votação está aberta ao público no site da WMEwww.premio.womensmusicevent.com.bre pode ser feita até 3 de novembro.

Leia abaixo o nosso “Perguntas Feitas com Frequência” com Clau Assef sobre o prêmio e tudo mais:

>>> Por que uma premiação assim?

Acreditamos que uma premiação é um grande momento de reconhecer um trabalho e de mobilizar atenções para ele. Estamos passando por um momento muito especial de valorização da mulher, em diversos aspectos. No âmbito da música, que é o nosso metiér, temos visto cada vez uma movimentação em prol do aumento do protagonismo da mulher. Mas ainda estamos anos luz de ter uma equidade de gêneros. Acreditamos que uma premiação seja um fator acelerador desse reconhecimento e de uma futura mudança de mindset da indústria, que é um dos nossos objetivos. Gostaríamos de ver um mercado em que, daqui a 10, 15 anos, nossa batalha por direitos iguais se esvazie. Porém, se não metermos o pé fundo no acelerador, isso só vai sendo adiado pra um futuro cada vez mais distante.

>>> Como surgiu? Em que momento juntaram WME e Vevo? O que motivou/qual foi o gatilho?

WME e VEVO foi uma caso de amor à primeira reunião. Eu, a Mo e a Fátima somos muito sinceronas e eloquentes. A gente fala o que pensa (especialmente a Fátima, rs) e isso nos uniu imediatamente. Ela nos deu uma força imensa pra realização da nossa primeira conferência, que rolou em março deste ano, e logo em seguida já sentamos pra falar da premiação – que era um sonho a médio prazo do WME, mas que, com o peso da VEVO e a determinação e a força da Fátima, nos predispusemos a fazer logo este ano! Já que é pra tombar…

(Claudia Assef, Fátima Pissarra e Monique Dardenne)

>>> Pra que? Quais as motivações? Como acham que esta ação pode impactar o mercado e o feminismo em si?

A ideia principal, a maior motivação, é reconhecer o trabalho das mulheres da indústria da música para além dos palcos. Por isso pensamos em categorias mais técnicas, como diretora de videoclipe, produtora musical, para que essas profissionais se sintam reconhecidas também. Sentimos que muitas mulheres ainda se intimidam diante de uma mercado tão dominado por homens. Esse será um momento para celebrar as mulheres da indústria e provocar novas artistas e profissionais a não desistirem de seguirem seu caminho na música, seja ele qual for (cantora, rapper, produtora, DJ, VJ…)

>>> Quem pode participar da votação? E como proceder?

Inicialmente, criamos um corpo de embaixadoras de todas as regiões do Brasil para mandarem suas indicadas nas 13 categorias (6 voto popular e 7 técnico), para que  essas indicações não partissem apenas da gente (WME e VEVO) e, por consequência, se tornasse algo muito centrado no eixo SP-RIO. Computamos esses votos e abrimos para votação popular nas categorias melhor álbum, cantora, DJ, videoclipe, revelação do ano e melhor música. A votação das categoria Júri Popular começa no dia 18 de outubro e estará no nosso site. As outras 7 categorias serão escolhidas pelas embaixadoras em votação fechada num sistema online.

>>> Como montaram o time de embaixadoras? Há mulheres do Brasil todo, como chegaram nelas?

Sim são mulheres de todas as regiões do Brasil. Cruzamos nossas agendas (eu, Mo e Fátima) e fizemos de forma que todos os segmentos estivessem representados. Os nomes delas a gente só vai divulgar depois da premiação pra manter a integridade da votação.

>>> Quando? E como vai ser a festa de premiação?

Vai ser dia 28 de novembro, em SP, com transmissão ao vivo pela VEVO e por nossas redes.

>>> Em que/quem se inspiraram para bolar a premiação – referências, motivações de mercado?

Em mulheres que são ícones pra nós, que já tomaram muita porrada, na vida real e na carreira, nomes como dona Helena Meirelles, Tina Turner, Madonna, Inezita Barroso, Björk, Rita Lee, Sonia Abreu, Tassia Reis, Liniker, Alcione, Wendy Carlos… são muitas mulheres fortes que nos inspiraram e nos motivam a dar o nosso melhor pra que mais mulheres se inspirem e busquem ocupar seu papel na música.

leia mais
1 2 3 16
Page 1 of 16